Você tem percepção emocional?

Você consegue identificar emoções em si mesmo e nos outros? Você consegue expressar as próprias emoções de forma adequada, têm empatia e se comunica com os outros de forma (emocionalmente) apropriada?

Hoje eu quero me reportar a uma pesquisa muito interessante, publicada no The Leadership Quarterly, em 2014, e agora republicada neste mês de novembro. Os autores são Prajya Vidyarthi, Smriti Anand e Robert Liden. Eles abrem o estudo com uma pergunta: As lideranças emocionalmente perceptivas conseguem melhorar a performance de seus subordinados? E então, o que você pensa sobre isso?

Os três desenvolveram um trabalho integrando conceitos de inteligência emocional e de relacionamento social, de forma a explorar os efeitos da percepção emocional no trabalho de um líder, bem como a sua capacidade de influenciar na performance do subordinado. Percepção emocional é definida como a capacidade de identificar emoções em si mesmo e nos outros. Pessoas com essa competência conseguem expressar as próprias emoções de forma adequada, têm empatia e se comunicam com os outros de forma (emocionalmente) apropriada.

Para o estudo, os autores recolheram dados de 391 trabalhadores da linha de montagem e de 88 gerentes, em uma organização multinacional de manufatura. Os gestores foram questionados sobre a sua própria percepção emocional, a sua percepção da distância de poder na organização (na medida em que os indivíduos aceitam uma distribuição desigual de poder na organização), e o desempenho de seus funcionários. Os empregados foram entrevistados sobre sua percepção da interdependência de tarefas (o grau em que os indivíduos recebem apoio direto de outros para realizar o seu trabalho).

Os autores partiram da suposição de que a maior percepção emocional nos líderes iria se correlacionar melhor com o desempenho do empregado. Além disso, eles acreditavam que essa relação seria afetada por algumas variáveis, vindo a ser mais forte quando à interdependência das tarefas estivesse presente e quando a organização apresentasse uma estrutura mais igualitária (conceito de que todas as pessoas são iguais e merecem os mesmos direitos e oportunidades).

Confirmando a hipótese de partida, os resultados mostraram que quanto maior a percepção emocional do líder, tanto maior o desempenho do subordinado em seu trabalho. Além disso, essa relação mostrava-se ainda mais intensa quando a comunicação era mais frequente, com menor distância na estrutura de poder e com mais interdependência entre as áreas pesquisadas.

O mérito desse estudo foi o de evidenciar a importância da percepção emocional nas lideranças para alcançar-se um melhor resultado nas organizações, estimulando que as empresas tenham especial atenção para essa característica ao contratar seus novos líderes. O mesmo cuidado vale ao investir no crescimento de percepção emocional de seus líderes por meio de treinamento ou Coaching.

Como Coach, posso afirmar que é mesmo um grande desafio o de contribuir para que o cliente (seja líder de área operacional ou executivo de alto nível na organização) possa conquistar competências e fortalecer sua percepção emocional. Historicamente, o estudo da percepção tem sido distinto do estudo de emoção, porém as mais recentes pesquisas, usando a neurociência, têm mostrado caminhos com muita interação possível.

Um exemplo que se pode tirar de outros estudos é observar o quanto o medo aumenta as chances de vermos ameaças em tudo, e de como humores positivos ou negativos abrem portas diferentes à nossa frente. A percepção é sistematicamente envolvida para contribuir na realização de um objetivo e o nível de emoção existente pode alterar essa percepção, e então levar a escolhas melhores ou piores, com mais ou menos riscos.

Enfim, este artigo quer estimular o Coach a entender que, em seu trabalho com lideranças e /ou empregados de uma organização, vale ficar atento à capacidade de percepção emocional dos envolvidos. Isso pode abrir mais e melhores canais de comunicação, empatia e engajamento para a consecução dos objetivos do processo que vai começar (e que vale para aqueles já em andamento).

Mario Divo Author
Mario Divo tem incrível experiência profissional, tendo chegado a meio século de atividade ininterrupta, em 2019. É PhD e MSc pela Fundação Getulio Vargas, com foco em Gestão de Negócios, Marcas e Design, Marketing e Comunicação Corporativa. Tem formação como Master Coach, Mentor e Adviser pela Sociedade Brasileira de Coaching e pelo Instituto Holos. Consultor credenciado para aplicação do diagnóstico meet® (Modular Entreprise Evaluation Tool), Professor e Palestrante. CEO e Coordenador Executivo da plataforma Dimensões de Sucesso, acumulando com o comando da MDM Assessoria em Negócios. Foi Diretor Executivo do Automóvel Clube Brasileiro e Clube Correspondente da FIA – Federação Internacional do Automóvel, no Brasil. Foi titular do Planejamento de Comunicação Social da Presidência da República (1997-1998) e, anteriormente, comandou a Comunicação Institucional da Petrobras. Liderou a Comunicação Institucional e a Área de Novos Negócios da Petrobras Internacional. Foi Presidente da Associação Brasileira de Marketing & Negócios, Diretor da Associação Brasileira de Anunciantes e, também, Conselheiro da Câmara Brasileira do Livro. Primeiro brasileiro no Global Hall of Fame da Aiesec International, entidade presente em 2400 instituições de ensino superior em 126 países e territórios, voltada ao desenvolvimento das potencialidades das jovens lideranças em todo o mundo.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa