fbpx

Sou um bom leitor e um especialista em comprar livros, e daí?

Você sabe por que você deveria comprar e se cercar de mais livros do que terá tempo para ler?

comprar livros

Sou um bom leitor e um especialista em comprar livros, e daí?

Depois de muitos anos me perguntando, se tenho algum problema com o fato de adquirir mais livros do que consigo ler, me deparei com artigo escrito por Jessica Stillman em 2018 para o portal Fast Company – Por que você deveria se cercar de mais livros do que você terá tempo para ler? – que tocou num viés que me trouxe um certo conforto, e quero compartilhar com os leitores.

Jessica comenta em seu artigo que uma estante cheia de livros diz coisas boas sobre sua mente.

A aprendizagem ao longo da vida ajudará você a ser mais feliz, ganhar mais e até permanecer mais saudável, dizem especialistas. Além disso, muitos dos nomes influentes dos negócios, de Bill Gates a Elon Musk, insistem que a melhor maneira de ficar mais inteligente é ler. Então, o que você faz? Você sai e vai comprar livros, por vezes pelo impulso de quem o indicou ou até em que ambiente ouviu sobre determinado livro.

Mas como a vida é ocupada, e as intenções são uma coisa, as ações outra. Pode ser que em breve, encontrará suas prateleiras repletas de títulos que pretende ler um dia, ou livros pelos quais folheou uma vez, mas depois abandonou.

Neste período de quarentena, acredito que como eu, muitas pessoas têm conseguido colocar a leitura em dia. Mas ainda longe de conseguir abater a pilha dos não lidos.

Se você nunca lê livros, então sim, você pode aprender alguns truques para incluir mais leituras em sua vida agitada. E porque vale a pena dedicar algumas horas por semana ao aprendizado. Mas se simplesmente o ritmo da leitura não acompanha o ritmo da compra, tenho boas notícias para você comenta Jessica, (e eu definitivamente me enquadro nessa categoria):

Sua biblioteca cheia de material não é um sinal de falha ou ignorância, é um distintivo de honra.

Nassim Nicholas Taleb autor e estatístico, argumenta em seu best-seller“A lógica do Cisne Negro: O impacto do altamente improvável”, o porquê você precisa de um “Antilibrário”.

O blog Brain Pickings criado por Maria Popova, desenterrou e destacou em um post particularmente adorável, intitulado Antibiblioteca de Umberto Eco: Porque os livros não lidos são mais valiosos para nossas vidas do que os lidos. Taleb inicia suas reflexões com essa anedota sobre a lendária biblioteca do escritor italiano Umberto Eco, que continha apenas 30 mil volumes de cair o queixo.

Eco realmente leu todos esses livros? Claro que não, mas esse não era o objetivo de se cercar de tanto potencial, mas de conhecimento ainda não realizado. Ao fornecer um lembrete constante de todas as coisas que ele não sabia, a biblioteca de Eco o manteve intelectualmente faminto e perpetuamente curioso. Uma coleção cada vez maior de livros que você ainda não leu pode fazer o mesmo por você, escreve Taleb.

Uma biblioteca privada não é um apêndice que impulsiona o ego, mas uma ferramenta de pesquisa. Os livros lidos são muito menos valiosos que os não lidos. A biblioteca deve conter tanto o que você não conhece quanto seus meios financeiros, taxas de hipoteca e o mercado imobiliário atualmente apertado permite que você coloque lá. Você acumulará mais conhecimento e mais livros à medida que envelhecer, e o número crescente de livros não lidos nas prateleiras nos encararão ameaçadoramente.

Eu aqui, me pergunto – quem já não teve o sentimento de estar devendo algo, e quando olho para a pilha dos não lidos, esse sentimento cresce?

De fato, quanto mais você souber, maiores serão as linhas de livros não lidos. Vamos chamar essa coleção de livros não lidos de uma antibiblioteca propõe Nassim.

Uma biblioteca anterior é um lembrete poderoso de suas limitações – a grande quantidade de coisas que você não sabe, nem sabe se um dia perceberá que está errado. Ao viver com esse lembrete diariamente, você pode se deslocar para o tipo de humildade intelectual que melhora a tomada de decisões e impulsiona o aprendizado.

“As pessoas não andam por aí com anticurrículos dizendo o que não estudaram ou experimentaram (é o trabalho de seus concorrentes fazer isso), mas seria bom se o fizessem”, afirma Taleb.

Por quê? Talvez porque seja um fato psicológico bem conhecido que sejam os mais incompetentes os mais confiantes em suas habilidades e os mais inteligentes os que têm dúvidas, o chamado efeito Dunning-Kruger. Por outro lado, está igualmente bem estabelecido que, quanto mais facilmente você admitir que não sabe as coisas, mais rápido aprende.

Portanto, a recomendação de Taleb é para pararmos de nos incomodarmos por comprar muitos livros ou por termos uma lista de leitura que nunca conseguiríamos ler em três vidas.

Todos esses livros que teimamos em comprar e não lemos podem ser, de fato, um sinal de nossa ignorância. Mas se soubermos o quanto somos ignorantes, estaremos muito à frente da grande maioria das outras pessoas.

Depois de ter lido isso e refletido muito sobre minha vulnerabilidade, me senti menos culpado e mais leve!

E você meu caro leitor e estimada leitora, como se sentem quando olham para a lista ou para a pilha dos não lidos?

Deixe aqui seu comentário.

João Luiz Pasqual, PCC, CMC & ACS
PCC – Professional Certified Coach
CMC – Certified Mentor Coaching
ACS – Accredited Coaching Supervisor
https://www.intervisionclub.com.br/ 

Referências:

https://www.brainpickings.org/?s=Nassim
https://www.inc.com/jessica-stillman/why-you-should-stop-feeling-bad-about-all-those-books-you-buy-dont-read.html

Confira também: A pandemia do COVID-19 está causando um impacto sem precedentes na maneira como vivemos, trabalhamos e lideramos equipes e organizações

 

João Luiz Pasqual tem mais de 40 anos de experiência profissional. Coach Executivo e de grupos. Foi por mais de 30 anos, executivo do mercado financeiro tendo ocupado posições de Diretor Executivo em diversos bancos (Sudameris, Banco Real, Unibanco, ABN AMRO e Santander), viveu na Europa por 8 anos e viajou para mais de 30 países. É conselheiro de empresas pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa e foi Presidente da ICF no Brasil durante o exercício 2015/2018. É Professional Certified Coach (PCC), Mentor Coach e Accredited Coach Supervisor pela International Coach Federation (ICF). MBA pela FIA-USP e Mestrado em Consulting and Coaching for Change pelo INSEAD-Fontainebleau na França.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa