fbpx

Soft Skills: dá para aprender e ensinar

Boa comunicação, relacionamento interpessoal, capacidade de liderança são algumas aptidões que fazem a diferença no clima organizacional e refletem na melhoria dos serviços.

Soft Skills

Soft Skills: dá para aprender e ensinar
Por Patrícia Rodrigues (*)

Boa comunicação, relacionamento interpessoal, capacidade de liderança são algumas aptidões, às vezes um tanto subjetivas, mas que fazem a diferença no clima organizacional e refletem na melhoria dos serviços como um todo.

Uma pesquisa realizada com os CEOs da Fortune 500 pelo Stanford Research Institute International e pela Carnegie Melon Foundation constatou que 75% do sucesso no trabalho a longo prazo depende das habilidades das pessoas, enquanto apenas 25% do conhecimento técnico.

Embora um currículo recheado de aptidões e conhecimento quantitativo seja bastante atraente, os empregadores consideram até mais importante, entre outras qualidades, o pensamento estratégico, uma boa comunicação escrita e oral, liderança e adaptabilidade. Ou seja, as chamadas soft skills, vocações muito relacionadas à personalidade do indivíduo e suas capacidades emocionais e mentais para lidar com as mais diferentes situações e exigências.

Para Adriana Gomes, coordenadora do Programa de Integração Nacional de Carreiras da ESPM, embora as softs skills estejam bastante associadas à nossa experiência de vida, são qualidades que podem ser aprendidas e ensinadas. “Se a pessoa já tem, por exemplo, uma facilidade para comunicação vai ser muito mais fácil, porém é possível desenvolver isso por meio de treinamento ou com a ajuda profissional”, esclarece a especialista. “Além disso, a orientação de carreira, bons feedbacks de gestores e até mesmo a mentoria são ótimos pontos de partida para aprimorar essa jornada”.

Como desenvolver:

  • Abra sua mente para novos aprendizados: pequenas atitudes como saber escutar, por exemplo, melhoram o ambiente de trabalho e afetam a experiência de todos;
  • Faça uma autorreflexão: liste o que você tem de positivo e como isso ajuda no dia a dia profissional e nas suas relações interpessoais. O mesmo vale para o contrário, para identificar o que falta e investir nisso;
  • Seja sincero consigo mesmo: estou sendo tão sociável, comunicativo, colaborativo ou positivo quanto poderia ser? Quanto contribuo para o bem-estar do clima corporativo?

Como os gestores podem ajudar:

  • Oferecendo bons feedbacks: além de detectar e apontar o que pode estar faltando, o chefe também orienta como isso pode ser desenvolvido. Por exemplo: é preciso aprimorar sua leitura de planilhas eletrônicas e um curso de Excel pode ajudar nisso; um curso de oratória pode melhorar suas apresentações orais;
  • Ao listar as competências que você necessita do funcionário, é preciso deixar de lado a subjetividade e esclarecer quais comportamentos são esses, ou seja, quais atitudes observáveis a pessoa deve apresentar para que possam ser validadas e medidas (por exemplo: boa comunicação? Excelente vocabulário, redação clara e objetiva. Habilidade em negociação? Que saiba escutar e fazer propostas, que sugira alternativas);
  • Ter empatia na hora de dar feedbacks: escolher bem as palavras, não julgar ou criticar. Lembre-se de que se colocar no lugar do outro porque nem sempre as pessoas tiveram as mesmas oportunidades de educação, formal ou não.

(*) Patrícia Rodrigues é Jornalista e colaboradora do Trendings. www.trendings.com.br

Link original da matéria: http://trendings.com.br/carreira/soft-skills-da-para-aprender-e-ensinar/

Adriana Gomes
http://www.vidaecarreira.com.br/

Confira também: Sem experiência: até quando buscar vaga na área de formação?

 

Adriana Gomes é Mestre em Psicologia – UNIMARCO, pós-graduada em Psicologia Clínica, Psicóloga, (CRP 30.133), Coach certificada pela Lambent do Brasil e reconhecida pela ICC – International Coaching Community. Carreira de 25 anos nas áreas organizacional e clínica (Psicoterapia, Orientação de Carreira). Ex-vice-presidente do Grupo Catho, empresa onde atuou como Headhunter, Executive Search e Outplacement atendendo empresas nacionais e multinacionais de grande porte. Coordenadora Acadêmica da área de Pessoas dos Cursos de Pós Graduação da ESPM, Coordenadora do Centro de Carreiras da ESPM – Centro de Orientação de carreira para alunos dos cursos Master e MBA, Coordenadora do Núcleo de Estudos e Negócios em Desenvolvimento de Pessoas da ESPM, Professora no curso de pós-graduação da ESPM na Cadeira de Pessoas. Atuou como Professora do Instituto Pieron de Psicologia Aplicada no curso de Especialização em Orientação Profissional. Membro da ABOP – Associação Brasileira de Orientadores Profissionais. Autora dos Livros: Tô Perdido! Mudança e Gestão da Carreira editora Qualitymark – 2014 e Mudança de Carreira e Transformação da Identidade LCTE 2008. Atualmente colunista do Jornal folha de S.Paulo na seção Negócios e Carreiras, Colunista de Carreira da Rádio Bandeirantes – Coluna Carreira em Foco, foi colunista e colaboradora no portal EXAME.com, Blogueira dos sites HSM e Click Carreira, palestrante e Diretora do site www.vidaecarreira.com.br.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa