fbpx

Síndrome de Boreout: O Tédio ao Trabalho tomou conta de você?

Você já sentiu o tédio tomar conta da sua rotina de trabalho? É hora de refletir e tomar uma atitude para reverter esse processo: a Síndrome de Boreout.

Síndrome de Boreout: O Tédio ao Trabalho tomou conta de você?

Síndrome de Boreout: O Tédio ao Trabalho tomou conta de você?

Derivado da palavra inglesa “bored” que significa entediante e chato, a Síndrome de Boreout está sendo empregada para descrever o estado de apatia e desinteresse que tira o entusiasmo e o prazer das atividades cotidianas do trabalho.

Trocando em miúdos, o profissional conclui as atividades propostas e se abstém de informar e solicitar novas. Por se sentir entediado e sem motivação, mantém-se em outras aleatórias, como consulta a redes sociais e bate-papos. Movido pela ansiedade, também pode preencher seu tempo com comida e álcool.

Segundo um estudo da Universidade de Lancashire (Inglaterra), as pessoas entediadas têm um desempenho profissional precário. E cometem mais erros, pois não estão motivadas para aquele trabalho.

O fato é que não existe emprego perfeito, todos têm aspectos positivos e negativos. Contudo, quando existe um desequilíbrio que pende mais para o negativo, pode gerar uma insatisfação temporária ou permanente.

Por exemplo: aceitar um emprego que não condiz com sua formação, que está aquém de sua capacidade utilizando pouco de suas habilidades. Realizar atividades monótonas que não estão adequadas a seu perfil e não lhe trazem nenhum desafio ou mesmo um salário abaixo de suas expectativas. São fatores que podem gerar a desmotivação e o tédio.

Vale ressaltar que isso pode surgir independentemente da empresa ou da liderança, que pode ou não contribuir. Isso porque a situação pode estar associada principalmente às expectativas do profissional.

A insatisfação crônica pode gerar sintomas como alteração da pressão arterial, insônia, irritabilidade, doenças de pele e instabilidade psíquica. Elas podem se manifestar através da Depressão, Ansiedade, Síndrome do Pânico. E por isso é importante ficar atento e buscar alternativas antes.

Quando sentir que o tédio está tomando conta da sua rotina de trabalho, é importante fazer algumas reflexões. Assim você poderá tomar uma atitude para reverter esse processo:

  • Qual o motivo de estar neste trabalho?
  • Quais são suas metas pessoais?
  • Você se sente prestigiado ao executar o seu trabalho?
  • Você comemora os seus ganhos, independentemente dos outros ao seu redor?

Em alguns momentos, aceitamos propostas de trabalho que estão aquém de nossas expectativas ou competências. É fundamental ter consciência, mas abraçar a oportunidade e traçar uma estratégia para transformar e planejar os próximos passos para alcançar seus reais objetivos.

O fato é que não temos controle sobre uma série de fatores ao nosso redor. Temos que pensar que tudo é impermanente e que temos que estar preparados para isso.

Depende de cada um de nós adquirir flexibilidade através do autoconhecimento, para driblar as adversidades sem perder a empolgação pelo que realizamos. Caso esteja difícil, então busque ajuda profissional.

“Hoje é um dia excelente para que eu descubra meu potencial de vida e o use sem desperdício e sem excessos.” (Monja Coen)

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre a Síndrome de Boreout? Então entre em contato comigo. Terei o maior prazer em responder.

Natalia Marques
Psicóloga, Coach e Palestrante
http://www.nataliamantunes.com.br/

Confira também: E Freud disse: “Afinal, o que as mulheres querem?”

 

Natalia Marques é Psicóloga Clínica, Coach e Palestrante. Formada em Psicologia pela FMU (1981) e em Coaching/ Mentoring Life & Self-Instituto Holos, possui pós-graduação em Recursos Humanos pela FECAP. Tem curso de Meditação Chan do Templo Zu Lai em Cotia. Como Psicóloga Clínica realiza atendimento Psicoterápico de base Psicanalítica, trabalha os sintomas de Estresse, Ansiedade, Depressão, Fobias, Síndrome do Pânico, Síndrome de Burnout, Conflitos Pessoais e Profissionais. É Coach de Desenvolvimento Pessoal, ajuda pessoas a atingirem seus objetivos e metas pessoais e profissionais, para se tornarem mais felizes. Especialista em Saúde Organizacional e Ocupacional, atua ainda como palestrante em temas de saúde, resiliência, trabalho, carreira e pós carreira. Associada da ABRH, ISMA Brasil e SOBRARE. É coautora no livro “Planejamento Estratégico para a Vida”, onde trata o tema da “Resiliência”.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa