fbpx

SEU FUTURO, DISC e os chapéus de Edward de Bono

Confira o paralelo entre as características de cada um dos chapéus do pensamento de Edward de Bono e os fatores comportamentais DISC. E a importância disso para o seu futuro.

⏲ Tempo estimado de leitura: 6 minutos
SEU FUTURO, DISC e os chapéus de Edward de Bono

SEU FUTURO, DISC e os chapéus de Edward de Bono

Vivemos um período, para muitas pessoas, de aumento significativo de problemas, sejam eles pessoais, profissionais ou sociais. Em vista disso, é recomendado corrermos para o desenvolvimento de habilidades para a identificação, organização e solução de problemas, os quais estão batendo cada vez mais fortes na porta de onde moramos, ou em nossas próprias mentes.

Um dos caminhos para encontrar respostas e soluções criativas é a utilização do pensamento lateral, onde temos Edward de Bono como uma grande autoridade no assunto, escritor de dezenas de livros, como “O pensamento lateral” e “Os seis chapéus do pensamento”.

O pensamento lateral tem como objetivo olhar as situações por diferentes ângulos e de uma maneira mais provocativa, para facilitar soluções mais inovadoras e menos óbvias, com um olhar mais amplo e menos enviesado, a respeito do problema escolhido.

Uma ideia, trazida por Edward de Bono, é a utilização de chapéus de diferentes cores, para “vestir” diferentes tipos de olhar para uma situação, ou problema. Estes chapéus podem existir fisicamente, ou podem apenas ser imaginários.

Esta dinâmica dos chapéus pode ser utilizada por um grupo de pessoas em um ambiente profissional, ou até mesmo por uma só pessoa, caso queira, por exemplo, encontrar a resposta para uma nova carreira profissional.

Para facilitar o exercício de vestir os diferentes chapéus, vou abrir um paralelo das características de cada um deles com os fatores comportamentais DISC (dominância, influência, estabilidade e conformidade), teoria criada pelo psicólogo William Moulton Marston, através de seu livro “As emoções das pessoas normais”. Segundo esta metodologia, cada um de nós tem um padrão comportamental mais natural e aparente. Por isso, o primeiro passo é conhecer o seu perfil comportamental, assim você saberá qual dos chapéus você terá mais facilidade para “vestir”, muitas vezes até sem perceber que o está usando. Olhar os problemas por apenas uma perspectiva pode ser uma das razões para que estes não sejam resolvidos, da maneira que deveriam.

Uma vez que você conheça o seu estilo comportamental natural, ou chapéu mais confortável, é recomendado conhecer as contribuições dos outros estilos comportamentais (outros chapéus) e praticar a adaptação, ou seja, se comportar de maneira alternativa ao que está acostumado. Assim você poderá ver o problema por outras perspectivas, facilitando o encontro da resposta certa, para a pergunta escolhida. Autoconhecimento e entendimento da teoria DISC são importantes pré-requisitos, para fazer as conexões necessárias dos seis chapéus com os correspondentes comportamentos que cada um deles demanda.

Curiosamente, os seis chapéus a seguir podem ser agrupados em pares de opostos, quando analisamos o perfil DISC recomendado, sendo estes os chapéus branco e vermelho, preto e amarelo e verde e azul.

Os chapéus a seguir não precisam ser utilizados necessariamente na sequência apresentada, ficando a ordem ideal a critério de quem estiver facilitando o processo, que deve ser a pessoa com o chapéu azul.

1. CHAPÉU BRANCO – FATOS:

Este é o chapéu da objetividade, dos fatos e números, com uma abordagem não emocional e sem a colocação de opiniões. Aqui, quanto mais informações, dados e fatos, melhor. Este pode ser um importante início de processo.

PERFIL DISC: Um padrão comportamental que pode facilitar o uso do chapéu branco é o relativo a uma alta dominância e alta conformidade, as quais são fatores técnicos, não emocionais. Com uma influência e estabilidade baixas, fechamos com um padrão comportamental bastante orientado para dados e evidências factuais. Este padrão comportamental facilita a abordagem racional e investigativa.

2. CHAPÉU VERMELHO – EMOÇÕES:

Este é o chapéu relativo aos sentimentos e emoções, explorando opiniões pessoais e subjetivas, sem justificativas racionais.

PERFIL DISC: Aqui temos um padrão comportamental oposto ao do chapéu branco, sendo assim, com uma alta influência e estabilidade, fatores mais favoráveis a sentimentos e emoções. Para que possamos ter uma abordagem realmente mais subjetiva e menos racional, é importante que a dominância e a conformidade estejam abaixo da média da população.

3. CHAPÉU PRETO – CETICISMO:

Este chapéu tem por objetivo trazer uma visão mais realista e crítica, com cautela, desconfiança e ceticismo. Com este chapéu, a pessoa busca o que pode dar errado e os riscos envolvidos.

PERFIL DISC: O fator DISC que mais reflete o chapéu preto é a conformidade, quando esta possui uma intensidade acima da média da população. Para termos um grau ainda maior de desconfiança e ceticismo, é recomendável que a influência esteja abaixo da média da população. Podemos ter apenas a conformidade acima da média da população, também deixando a dominância e estabilidade abaixo.

4. CHAPÉU AMARELO – OTIMISMO:

Este chapéu traz uma perspectiva mais otimista, positiva e esperançosa, o oposto do chapéu preto.

PERFIL DISC: Como aqui temos o oposto do chapéu anterior, é demandada uma abordagem comportamental onde temos apenas a exibição de uma influência acima da média da população, deixando os outros três fatores DISC abaixo dela.

5. CHAPÉU VERDE – CRIATIVIDADE:

Aqui temos uma abordagem mais próxima do que chamamos “pensar fora da caixa”, com a busca de alternativas, provocações, novas ideias e liberdade de pensamento. A busca por inovação e criatividade, sem a necessidade de se justificar ou explicar. Momento de mais coragem nas ideias.

PERFIL DISC: O padrão comportamental que facilita a exploração de uma situação, através do chapéu verde, é o que contém uma alta dominância, baixa influência, baixa estabilidade e baixa conformidade. Este perfil traz uma maior ousadia para o novo e o diferente, com o foco na ideia e não se irá incomodar alguém, deixando essa pessoa mais livre para expressar o que deseja. Essa combinação comportamental proporciona uma grande liberdade e independência de pensamento, facilitando a fuga do comum, previsível e existente.

6. CHAPÉU AZUL – PROCESSO:

Este é o chapéu responsável por iniciar, coordenar e terminar a atividade. Aqui é necessário ter organização, elaborar um plano de ação e definir o acompanhamento deste. Este chapéu também deve ser responsável por aparar arestas, definir a ordem de uso dos chapéus e manter a coesão do grupo.

PERFIL DISC: Um bom estilo comportamental para ser um facilitador e coordenador de grupo, em alinhamento com a descrição do chapéu azul, é aquele que possui uma baixa dominância, alta influência, alta estabilidade e alta conformidade, por sinal, o oposto do chapéu verde.

As obras aqui citadas de Edward de Bono com certeza transcendem os paralelos criados com os fatores comportamentais DISC. Contudo, sem dúvida, este já pode ser um bom início para olhar os problemas e necessidades atuais por diferentes ângulos, a fim de encontrar respostas pouco usuais, inesperadas ou até surpreendentes, para um amanhã que, hoje, é mais do que nunca uma página em branco. Conheça-se, abra a mente para outras perspectivas e seja o escritor do seu futuro!

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre os chapéus de Edward de Bono? Então entre em contato comigo. Terei o maior prazer em responder.

Alexandre Ribas
https://www.linkedin.com/in/perfilalexandreribas/

Confira também: O DISC identifica pessoas difíceis?

 

Alexandre Ribas começou a trabalhar com consultoria e treinamento há mais de 20 anos. Atualmente é presidente da TTI Success Insights Brasil e membro do Advisory Council da TTI Success Insights, nos EUA, empresa presente em mais de 100 países. Possui uma vasta rede de contatos, com consultores e coaches bem-sucedidos, em diversos países. No Brasil, através da TTI Success Insights, atende mais de 200 consultores, coaches, palestrantes, treinadores e head hunters, por ano. Também pratica consultoria, através da sua empresa Venko Consulting, a qual teve início em 2002. Empreendedor desde 1998, atualmente possui cinco empresas em atividade. Sua formação acadêmica passa pela Universidade Mackenzie, UFPR, FIA-USP e Harvard. Também possui diversos cursos de formação em Coaching, PNL e desenvolvimento de pessoas. Foi o primeiro brasileiro a obter a formação completa, em turmas abertas, pela então ASTD, em HPI – Certificate in Human Performance Improvement. Possui três livros publicados, sendo eles “Manual Definitivo DISC”, “DISC – tudo o que você precisa saber, mesmo” e “Manual Definitivo Motivadores”. Escreve artigos desde 1998.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa