fbpx

Ser congruente é preciso

Se você valoriza sua palavra e busca ser congruente, sendo valorizado e reconhecido pelos seus princípios e valores, há um bom caminho. Confira 4 passos!

Ser congruente

Ser congruente é preciso

Aproveitando a frase do general romano Pompeu, que encorajava marinheiros receosos dizendo: “navigare necesse, vivere non est necesse”, que teve sua transformação em uma expressão pelo poeta italiano Petrarca, do século XIV, ficando: “Navegar é preciso, viver não é preciso”, aproveitada depois pelo escritor português Fernando Pessoa.

Navegar é preciso e ser congruente também é preciso, pois se assim não for, passamos a falar algo e agimos de outra maneira diferente da que falamos. A vida, na sua imprecisão, gerada pelas emoções, é plena de alternativas, mudanças e oportunidades.

Se há incongruência e nos conformamos, somos hipócritas e nos mantemos assim, agindo diferente do que apregoamos. Podemos mudar, sim. Ou transformamos o nosso discurso para se ajustar à maneira como agimos ou ajustamos os nossos comportamentos e atitudes em conformidade com o que falamos.

Entendo essa coerência entre o que falamos e fazemos como um dos grandes desafios, porque falar é fácil, nada nos custa. Daí surgem promessas vazias, falta de responsabilidade com os compromissos assumidos e as promessas feitas.

Para quem valoriza sua palavra, e busca ser congruente e viver com essa congruência, sendo valorizado e reconhecido pelos seus princípios e valores, existe um bom caminho. O primeiro passo é querer ser assim, sendo respeitado e percebido como uma pessoa de palavra, de valor, que se pode confiar plenamente, pois a prática é consequência da teoria e é desse tipo de gente que o mundo mais precisa (agora no sentido de necessitar).

Para facilitar a sua jornada, proponho considerar 4 passos, sabendo que, ao adotá-los, você não irá mudar o mundo, mas certamente estará dando a sua parcela de contribuição para o mundo ficar melhor do que o encontrou.

Primeiro passo: Clareza de propósito

Propósito é o mais importante que você tem para realizar na sua vida, podendo também ser considerada a sua missão pessoal. É a sua declaração que justifica até, para você, a razão da sua existência.

Exemplos:

  • Ser feliz e fazer as pessoas felizes;
  • Tornar o mundo melhor com a minha presença, fazendo o que puder para isso acontecer;
  • Ser um educador, transformando pessoas em melhores versões do que as encontrei;
  • Dar aos meus filhos o melhor exemplo, a melhor educação, a melhor formação moral que eu puder;
  • Lutar pela preservação do nosso planeta;
  • Viver com dignidade, com ética, aceitando o que não posso mudar, mas mudando aquilo que posso.

Segundo passo: Visão

O que você enxerga como o seu bem maior.

Exemplos:

  • Influenciar pessoas positivamente na direção da conexão com seus valores;
  • Ser um melhor pai ou uma melhor mãe que eu puder ser;
  • Ser congruente entre o que falo e faço;
  • Que minhas ações sempre espelhem a grandeza e beleza da minha alma.

Terceiro passo: Meus compromissos

Talvez seja a parte mais difícil, exige pensar muito, saber o que fazer e o esforço e, porque não, eventuais sacrifícios para colocar em prática o que decidiu, pois ao pensar nos seus compromissos pessoais e compartilhados, você está explicitando suas intenções, quer seja empenhando a sua palavra, ou assinando um contrato, ou se comprometendo com uma causa. Funciona como uma seta de uma bússola que aponta sempre na mesma direção e é nessa direção que se empenha em seguir.

Alguns exemplos:

  • Reconhecer em mim mesmo uma pessoa sempre grata pela vida e pelos pequenos milagres que me acontecem diariamente;
  • Confiar para ser também merecedor de confiança;
  • Ser leal com meus amigos, sabendo valorizar e preservar as boas amizades;
  • Ser íntegro com a minha palavra dada;
  • Confiar em mim mesmo e na minha capacidade de realização;
  • Respeitar as pessoas na sua individualidade;
  • Adotar o princípio do life-long-learning, ou seja, aprender sempre e todos os dias da minha vida;
  • Combater a ignorância e o fanatismo;
  • Ser um bom comunicador e fazer dessa habilidade meu instrumento de trabalho;
  • Ser uma pessoa feliz e realizada.

Quarto passo: Meu credo

Minhas crenças definem minha identidade, minha personalidade e abrem espaço para eu buscar o desenvolvimento de competências para agir em conformidade com meus compromissos, tendo comportamentos adequados nos mais variados ambientes em que viver. Minhas crenças me definem e quanto mais delas tiver clareza, mais fácil será trilhar nos caminhos que escolhi, compreendendo que não agimos como máquinas, ao contrário, com a dicotomia do pensamento e das emoções, diante de um cenário novo a cada momento.

Alguns exemplos de crenças:

  • Creio que a vida deve ser vivida intensamente;
  • Creio que não estamos sós, há uma fonte, uma força extraordinária que nos criou, que chamamos de Deus;
  • E creio na evolução espiritual, que somos espíritos vivendo uma experiência humana;
  • Que podemos realizar tudo aquilo que desejamos;
  • Na força impactante da comunicação humana;
  • Que estamos aqui para uma causa maior, não apenas nascer, crescer, amadurecer, envelhecer e morrer.
  • Creio no poder que todos temos para eliminar nossas crenças limitantes que nos impedem de sermos quem desejarmos ser na sua plenitude e integridade;
  • Creio na nossa capacidade de contribuir para que o mundo seja um lugar melhor para os nossos descendentes;
  • E creio que ninguém é perfeito, pois a perfeição é divina, mas podemos direcionar a nossa vida nessa direção.

Desejo que você encare esse desafio e faça esse exercício para você mesmo, compartilhe com os seus familiares e amigos, verá como tudo ficará mais claro para você e, assim, terá  certeza do que deseja e o que precisa fazer para ser congruente e viver em congruência consigo mesmo.

Reinaldo Passadori
https://www.passadori.com.br/

Confira também: Estilos de comunicação sob a perspectiva dos 9 tipos do eneagrama

 

Reinaldo Passadori é fundador, palestrante e CEO da Passadori Educação e Comunicação, especialista em comunicação e mestre em neuromarketing pela FCU – Florida Christian University. É idealizador e apresentador do programa Comunicação Executiva, no qual promove entrevistas e debates do mundo corporativo. Com 33 anos de história formou mais de 100.000 pessoas na habilidade da comunicação verbal, não verbal e liderança. É Autor dos livros Comunicação Essencial, As 7 Dimensões da Comunicação Verbal, Media Training e Quem Não Comunica, Não Lidera.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa