fbpx

Satisfação e insatisfação no trabalho!

Todos têm as mesmas necessidades, mas não têm os mesmos valores, que estão diretamente relacionados à sua satisfação e insatisfação. Ter um significado no trabalho permite um equilíbrio psicoemocional, evitando fadiga, desprazer e adoecimento.

Caros leitores, é com muito prazer que estarei aqui com minha coluna Comportamento saudável: vida e trabalho, onde irei tratar temas ligados a aspectos de saúde psicossocial e qualidade de vida no trabalho, afinal sem a manutenção de nossa “máquina” não podemos ter nossa felicidade plena.

E para iniciar lanço uma provocação através desse tema tão complexo “Satisfação e insatisfação no trabalho”.

“Eu duvido, logo penso, logo existo”, com esta frase Descartes definiu a razão do homem que o diferencia e o coloca como o ser mais desenvolvido na cadeia animal.

Muito além da Filosofia, o que leva o homem ao seu desenvolvimento pessoal e profissional é a sua inquietude, que se processa através da sua subjetividade.

Essa subjetividade advém da complexa máquina chamada cérebro, que contém todas as suas experiências armazenadas através de crenças e valores de toda uma vida.

Essa subjetividade se faz presente nas relações diárias, e na vida produtiva desde o momento da seleção e contratação, como o RH passa a missão e os valores da empresa.

Vale lembrar que o contrato formal de trabalho é regido e definido pela aceitação das normas e regras da empresa, mas é no dia a dia que se estabelece o contrato informal, e que realmente sela o compromisso de “vestir a camisa da empresa”.

O trabalho é uma interação complexa de tarefas, papeis, responsabilidades, relações, incentivos e recompensas em um determinado contexto físico e social.

A função em si exige uma série de competências para a qual o profissional deve estar preparado, ou se desenvolver conforme as exigências vão surgindo.

A satisfação no trabalho é determinada por fatores intrínsecos que são eficazes na motivação e estão relacionados a autorrealização, reconhecimento, conteúdo da tarefa, responsabilidades, crescimento profissional e desafios exigidos. Ter um significado no trabalho permite um equilíbrio psicoemocional, evitando fadiga, desprazer e adoecimento do profissional.

Os aspectos extrínsecos da satisfação estão relacionados, como salários, benefícios, colegas, chefia, ambiente físico, entre outros.

Todos os homens têm as mesmas necessidades, mas não têm os mesmos valores, que estão diretamente relacionados à sua satisfação e insatisfação. Os valores devem estar compatibilizados com os valores da equipe de trabalho e da empresa.

Assim, satisfação e insatisfação no trabalho não são fenômenos distintos, mas situações opostas que, quando manifestas, podem gerar prejuízos no ambiente de trabalho, levando o profissional ao adoecimento, absenteísmo, presenteísmo, turnover… Os prejuízos financeiros das empresas, dos sistemas de saúde particular e governamental são altíssimos.

O clima Organizacional que permeia as relações de trabalho é o verdadeiro termômetro da saúde da equipe de trabalho e que pode ou não favorecer se atingir as metas e objetivos, sem adoecer.

Recebo profissionais que por algum motivo adoeceram e buscam o acolhimento Psicoterápico, ou que buscam estabelecer novos objetivos e metas através do Coaching para não adoecerem. Não raro existe uma insatisfação pela quebra de valores.

A carga de trabalho e pressão elevadas, nem sempre levam o profissional ao adoecimento, mas sim a forma como a equipe é dirigida e a coerência com a missão da empresa e seus valores, que é refletida através de seus líderes.

Uma Liderança Positiva faz toda a diferença na condução da equipe, para grenciar as adversidades encontradas no mundo corporativo e administrá-las de forma “Resiliente”.

Algumas recomendações para prevenção e manutenção de um profissional saudável e produtivo, para atingir suas metas com eficiência e eficácia junto com sua equipe de trabalho:

  • Ter um Projeto de Vida sempre, revisar periodicamente;
  • Busca constante do autoconhecimento, somos seres vivos e dinâmicos;
  • Desenvolver a Resiliência, como comportamento para a vida ou competência para o trabalho;
  • Manter-se profissionalmente atualizado;
  • Desenvolver competências necessárias para as funções que realiza;
  • Cultivar relacionamentos satisfatórios dentro e fora da empresa;
  • Praticar uma atividade física que lhe dê prazer e equilíbrio;
  • Exames médicos periódicos;
  • Alimentação saudável.

“Os seres humanos são criaturas adaptáveis e, se algo é realmente importante para nós, podemos ficar um pouco melhores em praticamente tudo” (Marcus Buckingham e Donald O)

Natalia Marques é Psicóloga Clínica, Coach e Palestrante. Formada em Psicologia pela FMU (1981) e em Coaching/ Mentoring Life & Self-Instituto Holos, possui pós-graduação em Recursos Humanos pela FECAP. Tem curso de Meditação Chan do Templo Zu Lai em Cotia. Como Psicóloga Clínica realiza atendimento Psicoterápico de base Psicanalítica, trabalha os sintomas de Estresse, Ansiedade, Depressão, Fobias, Síndrome do Pânico, Síndrome de Burnout, Conflitos Pessoais e Profissionais. É Coach de Desenvolvimento Pessoal, ajuda pessoas a atingirem seus objetivos e metas pessoais e profissionais, para se tornarem mais felizes. Especialista em Saúde Organizacional e Ocupacional, atua ainda como palestrante em temas de saúde, resiliência, trabalho, carreira e pós carreira. Associada da ABRH, ISMA Brasil e SOBRARE. É coautora no livro “Planejamento Estratégico para a Vida”, onde trata o tema da “Resiliência”.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa