Anúncios

Responder ao estresse é diferente de reagir

Será que há alguma diferença entre RESPONDER ao estresse ao invés de REAGIR ao estresse? Dentro do contexto de mindfulness: SIM é muito diferente.

1100
1100
como responder ao estresse

Será que há alguma diferença entre responder ao estresse ao invés de reagir ao estresse?

Dentro do contexto de mindfulness posso afirmar que sim, é muito diferente.

Durante uma prática de meditação é possível vivenciar inúmeras experiências, principalmente em práticas mais longas, de meia hora ou mais.

Essas experiências no fundo se parecem muito com o que normalmente vivenciamos no dia a dia, ou seja, experimentamos situações agradáveis e desagradáveis. Assim também é durante a prática.

Se estivermos atentos aos processos que acontecem, é possível perceber diversas ocorrências, sejam elas no corpo, ou na mente.

É notar e sentir “na pele” o real significado da palavra impermanência, já que durante a prática muitas experiências vêm e vão, sejam internas como nossos pensamentos e emoções, sensações corporais que podem variar de uma simples coceira até uma dor mais intensa, e ainda fatores externos como a temperatura, os sons etc.

O fato é que nesse processo entramos em contato com diversas experiências. Basta estar atento a elas que podemos notar a diversidade e a intensidade delas.

Além da intenção de estar presente e consciente de tudo que está presente durante uma prática, o que é uma premissa de mindfulness, há um outro fator muito característico que é: apenas observar, sem julgar, sem reagir automaticamente.

Aprendemos a observar tudo que acontece dentro e fora de nós com a intenção de apenas estar presente, sem a necessidade de fazer algo, modificar algo.

Mas afinal, o que isso tem a ver com responder ao estresse?

Responder significa escolher. Ter a possibilidade de escolha diante de uma situação que a vida nos apresenta, e não simplesmente agir no piloto automático, o que algumas vezes, pode gerar consequências desastrosas.

“Assim que intencionalmente trazemos a consciência ao que está acontecendo numa situação estressante, provocamos uma enorme mudança nessa situação e abrimos um campo de possibilidades potencialmente adaptativas e criativas pelo simples fato de não estarmos inconscientes e no modo piloto automático.

 

Trazer a consciência para o momento leva apenas uma fração de segundo, mas pode fazer uma diferença fundamental no desfecho de uma situação estressante”.

 

(Jon Kabat Zinn)

Quando treinamos a mente e o corpo durante as práticas vamos aos poucos exercitando esse “músculo” de consciência não reativa. Isto favorece muito a mudança da forma como nos relacionamos com o que nos acontece.

Essa habilidade pode ser interpretada como sendo o ganho de um intervalo entre o que nos acontece e como responderemos ao que nos acontece, com um fator fundamental que está presente nesse intervalo: a capacidade de escolher a resposta.

Todos nós podemos desenvolver essa preciosa habilidade, basta apenas praticar mindfulness com regularidade e disciplina.

Silvia Cavalaro
https://www.silviacavalaro.com.br/

Confira também: Mudança comportamental aos praticantes de mindfulness

 

Sílvia Cavalaro tem 7 anos de experiência como profissional de Comunicação e Marketing, e 9 anos de experiência na área de Desenvolvimento Humano. Coach especializada em Direcionamento e Desenvolvimento de Carreira, Consultora em parceria com Sher Consultoria e Treinamento, Analista Comportamental pela Universidade Quantum Assessment, Instrutora de Mindfulness pela UNIFESP atuando em parceria com Centro Paulista de Mindfulness. Formação acadêmica em Comunicação Social pela Universidade Paulista e especialização em Marketing de Serviços pela Fundação Armando Álvares Penteado. Criadora do Programa Carreira e Vida com foco em direcionamento de carreira. O programa é fundamentado em três pilares principais: Qualidade de Vida, Carreira com sentido/propósito e Clareza para escolhas conscientes e sustentáveis.
follow me
Anúncios
Neste artigo


Participe da Conversa