fbpx

Público 60+: Um olhar sobre o etarismo e as perspectivas de uma nova realidade

Por um longo tempo, ignorou-se o público 60+. A visão era de finitude, de falta de produtividade, inatividade e passivo social. Felizmente, isso tem mudado.

Público 60+

Público 60+: Um olhar sobre o etarismo e as perspectivas de uma nova realidade

Um debate que vem crescendo é em relação à população longeva. De fato, uma preocupação justa, sendo que a expectativa do brasileiro vem aumentando. Em 2018 era de 76,3 anos para os homens e 79,9 anos para as mulheres. Segundo o IBGE e a ONU projetam um crescimento para 81,2 anos até 2050. Além disso, este público que hoje é de 20 milhões de idosos tem projeção de triplicar até 2050.

Por um longo tempo, praticamente ignorou-se o público 60+, pois a visão que se tinha era de finitude, de falta de produtividade, inatividade e passivo social.

Felizmente, essa visão tem mudado. As pessoas cada vez mais encontram o seu lugar na sociedade. E apesar de ainda carregarmos alguns vieses que fazem com que tenham dificuldade de se colocar no mercado, novas oportunidades também surgem.

Empresas que apostaram na ousadia dos mais jovens, percebem o quão importante é a vivência dos mais experientes. Criam possibilidades como programas de mentoring, estagiários seniores. Ações como estas ainda são tímidas, mas tendem a crescer.

A troca de conhecimento entre as gerações é a principal vantagem da diversidade etária para os negócios.

Importante ressaltar que a postura e a autoestima das pessoas 60+ também mudaram bastante com o surgimento de programas voltados para este público. Assim trouxeram uma perspectiva mais positiva, um sentido, um propósito de vida. As pessoas estão mais preocupadas com a alimentação saudável e melhoria de qualidade de vida.

Um estudo da Acad Brasil (Associação Brasileira de Academias) mostra que 30% dos frequentadores de academia têm mais de 60 anos. Isso equivale a mais ou menos 1,8 milhão de pessoas.

Eu tenho um exemplo dentro de casa. Minha mãe tem 85 anos e 4 vezes por semana faz Yoga e Ginástica multifuncional. Atualmente reclama todo dia do isolamento por conta da pandemia. Isso porque ela quer estar ativa e voltar à sua rotina. Encontrar as suas amigas e amigos.

Manter-se ativo física e mentalmente gera autoestima elevada, amor próprio, felicidade.

No campo educacional a participação também aumentou. Segundo levantamento do Censo de Educação Superior, há aproximadamente 30.000 pessoas 60+ em cursos de graduação e pós-graduação. E, de olho neste mercado, não é difícil encontrar universidades com condições especiais para este público.

Isso mostra que o fator preponderante não é a idade. Mas sim a perspectiva que se oferece para as pessoas estarem em movimento, colocarem os seus talentos em prática. Além disso, a consciência e a autoestima das pessoas 60+ para ocuparem estes espaços.

É de suma importância criar eventos, rodas de conversa, para gerar reflexão, mobilização social. Pressionar autoridades e empresas a mudarem estratégias, culturas. E a criarem ações mais focadas nas resoluções destas questões.

Ainda temos um caminho longo pela frente, pois ainda há preconceitos a combater. Mas tenho plena certeza de que o futuro será muito mais inclusivo para o público 60+.

Então, meu recado é:

Se você é um empreendedor olhe de fato com carinho para este público. Crie estratégias para atrai-los e criar identificação com a sua marca, pois é um público consumidor que não pode ser descartado.

Se você trabalha no RH ou é um gestor, então pense quanta experiência está sendo desperdiçada ao não considerar este público na sua equipe. A melhor estratégia é contar com a complementaridade dos jovens e dos mais experientes. É comprovado que uma empresa diversa gera mais resultados.

Se você é uma pessoa 60+, então mantenha-se em movimento. Busque o seu propósito de vida e atividades que lhe tragam felicidade.

Gostou do artigo? Quer saber mais? Então entre em contato comigo. Terei o maior prazer em responder.

Luciano Amato
http://www.trainingpeople.com.br/

Confira também: Como garantir a acessibilidade em eventos?

 

Pós-Graduado em Tecnologia Assistiva pela Fundação Santo André/ITS Brasil/Fundação Don Carlo Gnocchi (Itália/Milão). Pós-graduado em Psicologia Organizacional pela UMESP e graduado em Psicologia pela UNIMARCO. Extensão em Gestão de Diversidade pela PUC (Trabalho final: “O impacto do imaginário dos líderes no processo de diversidade e inclusão nas organizações”), Credenciado em Holomentoring, Coaching e Advice pelo Instituto Holos. Formado como analista DISC. Desde 1990 na área de R.H., atuou em subsistemas como Recrutamento & Seleção, Treinamento, Qualidade, Avaliação de Desempenho e Segurança do Trabalho contribuindo com empresas como Di Cicco, Laboratório Delboni Auriemo, Wal Mart, Compugraf Telecomunicações e Mestra Segurança do Trabalho. Atualmente é Diretor da TRAINING PEOPLE, especializada em treinamentos, palestras e projetos de consultoria personalizados responsável pela estratégia e coordenação de equipe multidisciplinar especializada em temas como Diversidade, Liderança e Gestão, Vendas, Educação Financeira, Comunicação, Turismo e Segurança do Trabalho. Vice-Presidente de Gestão e Conteúdo da ABPRH – Associação Brasileira de Profissionais de Recursos Humanos, responsável pela gestão da equipe e curadoria dos grupos de debates, bem como pelo Comitê de Diversidade e Inclusão. Coordenador do grupo virtual Gestão por Competências com base no Facebook e Linkedin, somando 40.000 profissionais de RH em ambos. Escreve duas colunas da Cloud Coaching com os temas Diversidade e Inclusão e Excelência no Atendimento ao Cliente. Presidente e idealizador do Instituto Bússola Jovem, projeto social que tem por objetivo transformar a vida de jovens de baixa renda através dos pilares: Educação, Trabalho e Carreira.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa