fbpx

Como lidar com desapontamentos afetivos?

Que atitude tomar frente ao desinteresse de quem nos encheu de sentimento? O que fazer diante de uma recusa? Como lidar com nossos desapontamentos afetivos?

como lidar com desapontamentos afetivos

Que atitude tomar frente ao desinteresse de quem nos encheu de sentimento? O que fazer diante de uma recusa? Como lidar com nossos desapontamentos afetivos?

Uma Coachee me disse essa semana que saiu algumas vezes com um cara e se apaixonou. Ele provavelmente não. Ela disse que lembra dele ouvindo música e tem vontade de mandar mensagem. Ele não. Ela me deu a entender claramente que gostaria de encontrá-lo novamente. Ele, talvez tenha dúvida. Ela está se sentindo cansada de esperar, mas continua esperando. Ele, se ela desistir ficará aliviado.

Racionalmente não há muito o que fazer nesse caso. Se ele ligar ela pode decidir sair novamente, sem grande pretensão ou talvez seja melhor ela dizer que tem outros planos. E só. Nada mais ela pode fazer. Ou ela sai ou ela não sai.

Se você acredita em mudar os sentimentos dos outros com gestos grandiosos, insistência e declarações de amor, deveria pensar que aquilo que você sente não foi induzido, criado pela vontade do outro. Então, essa mesma regra serve para qualquer pessoa que sente ou poderá sentir qualquer coisa por você.

Carinho e afeto estão acima do racional.  Eles são gratuitos, mas não estão sob controle. Conexões que são fruto de manipulação não são verdadeiras, não têm embasamento emocional, por isso sem segurança. Quem manipula sabe disso. Quem manipula sabe que está em uma relação fragilizada.

Assim como minha Coachee, todos nós estamos sujeitos a esse impasse: que atitude tomar frente ao desinteresse de quem nos encheu de sentimento? O que fazer então diante de uma recusa? Eu lhe digo: não faça nada.

Se você deixou claro o que sente, agora é a vez do outro decidir o que fazer com essa informação, e se ele lhe decidiu ignorar, não era pra ser. O que talvez mais incomoda minha Coachee é ela ter vivenciado uma intimidade apaixonante, ter a certeza que pra ele também foi, estar convencida de que por esse motivo ele deveria procurá-la e sonhar que ele irá lhe presentear com uma aliança. Na mente dela, todos esses motivos justificam o porquê ele deve procurá-la.

Eu acredito que sabemos pouquíssimo sobre os sentimentos do outro. O sexo pode ser bom, mas até nele existe um limite: mulheres podem fingir, e homens podem tomar Viagra. Uma conexão verdadeira não pode ser fabricada ou fingida. Ela tem como referência o toque, o belo, aquele algo que é essencial e invisível. O outro tem muitas coisas que nos comove: o olhar, a fala, o conteúdo, o movimento, a personalidade, o silêncio.

Eu tenho certeza que muitas mulheres, assim como a minha Coachee, pensam que os encontros não ocorrem porque os homens são insensíveis. É claro que existem homens que passarão a vida contando com quantas mulheres saíram, mas acredito que esses são a minoria.

Eu acredito que a maioria se envolve muito e certamente não com todas com quem tem intimidade. Muitas mulheres ainda associam um sexo apaixonante com amor. No mundo masculino bom sexo continua sendo apenas sexo. Para a mulher um bom sexo cria vínculo emocional.

Não existe fórmula para resolver esse descompasso. Quem for muito teimosa e cultivar muitas ilusões vai sofrer mais que a média, desnecessariamente. O segredo é aprender a lidar com nossos desapontamentos afetivos, porque a vida é cheia de relacionamentos.

E o início de aprender a lidar com tudo isso e com os desapontamentos afetivos talvez seja você responder a essas duas perguntas:

  1. Porque tenho a necessidade de ser aceita pelo outro?
  2. O que tenho buscado no outro que não estou entregando para mim mesma?

Ercília Canali
http://www.erciliacanali.com.br/

Confira também: A reinvenção dos relacionamentos

 

Ercilia Canali é especialista em desenvolvimento afetivo e profissional.Consultora de carreira para planejamento do Percurso Profissional diante da história de carreira e de vida, desenvolvimento de competências, transição de carreira e resiliência no ambiente de trabalho.Criadora do programa de atendimento Percurso Afetivo, metodologia de atendimento para mulheres, com foco na aprendizagem de lidar com sentimentos e superar acontecimentos como: infidelidade, traição, separação, dependência emocional, dificuldade de se relacionar, medo e solidão.Mentora de mulheres para resgate de Autoestima e Amor Próprio.Idealizadora e facilitadora do Círculo Afetivo, – encontro de mulheres com compromisso umas com as outras de apoio, respeito, escuta e conexão, com o objetivo de promover o desenvolvimento humano.Certificada Professional Coaching, Self Coaching e Coaching Generativo, pelo Centro Nacional de Coaching – Cenacoaching; Practitioner SOAR – Soar Advanced Certification Program Presential, – Analista Comportamental, em Flórida Christian University – FCU (USA); Practitioner PNL – Programação Neurolinguística, pelo Centro Nacional de Coaching – Cenacoaching; Pós-graduação em Gestão e Desenvolvimento de Consultoria Interna em Recursos Humanos pela Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP; MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela FAAP. Graduada em Serviço Social pelas Faculdades Metropolitanas Unidas – FMU; Membro do Grupo de Estudo e Trabalho dos Profissionais de Recursos Humanos das Agências de Publicidade de São Paulo; mais de 30 anos dedicados a área de gestão de Recursos Humanos.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa