Perdoar é o melhor remédio

A mágoa só contribui para o próprio sofrimento e para que a vida não tenha prazer em ser vivida. Confira 3 maneiras de trazer perdão à própria vida!

Durante os últimos 15 anos venho ministrando aulas de gestão de pessoas e desenvolvimento gerencial em cursos de pós-graduação em gerenciamento de projetos e gestão estratégica de negócios. A maioria destas aulas ocorre aos sábados durante todo o dia, portanto é bastante comum sair para almoçar com alguns dos alunos.

Este período de almoço nos aproxima e nestes 15 anos fiz muitos amigos com quem mantenho uma relação de amizade até hoje. Além do aspecto social destes encontros, têm sido de um grande aprendizado para mim, pois a diferença etária entre nós proporciona situações onde posso entender melhor como pensam as gerações bem anteriores a minha, o que favorece com que eu tenha uma visão mais real do mundo em que vivo.

Tenho observado que é muito comum entre eles um certo ressentimento com a própria vida e com a família, o que muitas vezes os tornam tristes e sem alegria de viver, numa idade onde tudo deveria ser sonho e esperança.

Costumo dizer a eles que a mágoa conosco ou para com outras pessoas, só contribui para o próprio sofrimento e para que a vida não tenha prazer em ser vivida. Digo também que o ato de perdoar é fundamental sempre, mas em especial quando somos nós mesmos o alvo destes sentimentos.

Costumo compartilhar com eles três maneiras de trazer perdão à própria vida:

a. Identifique e entenda o seu sofrimento

Todas as pessoas estão sujeitas ao sofrimento, ninguém está isento a ele, mas, mesmo sendo difícil, temos que fazer as pazes com este sentimento e a melhor maneira que conheço é praticando o autoperdão ou perdoando quem nos tenha machucado.

Tente perdoar, de coração e não só “de boca” e verá que o perdão cura e o faz seguir em frente.

b. Dê tempo ao tempo e espaço para curar-se

O maior erro que fazemos é nos forçar a “superar” os sentimentos dolorosos. Estas situações têm que ser identificadas e entendidas sem pré-julgamentos, portanto é saudável sermos mais amáveis conosco e abrir espaços para aceitar os nossos erros e os dos outros. Temos o direito de errar, mas não devemos transformar o sentimento causado em uma catástrofe pessoal que venha a contaminar os demais momentos de nossa vida.

c. Seja feliz como você é

Nós gastamos muita energia desejando que tudo seja diferente, o que nos traz frustração e desânimo. Esta energia, gasta desnecessariamente, deveria ser canalizada para traçar e percorrer o futuro e não manter nossas forças no passado ou em algo que pode ser superado. Embora seja um desafio, uma das formas mais eficazes para promover mais o perdão para si mesmo e aos outros é aceitar as coisas como são. Não na forma de conformismo, mas de entendimento, principalmente nos tirando da situação de infalíveis e do costume de alimentar expectativas exageradas nas pessoas.

Como sou praticante de meditação uso esta importantíssima ferramenta para entender e aceitar a vida como ela é, mas sempre abrindo espaço para novos horizontes, projetos e concretização de sonhos.

O perdão é contagiante, use-o, costumo dizer aos alunos nos almoços que fazemos aos sábados.

Cleyson Dellcorso tem formação em engenharia e filosofia e suas atividades estão relacionadas ao Coaching Profissional e Pessoal, além de atuar com Coaching de Casais. Seus atendimentos têm embasamento em uma metodologia própria com fundamentação filosófico / dialógico. Possui MBA pela UCLA (EUA), com foco em gestão de pessoas, é especialista em liderança pelo Haggai Advanced Leadership Institute (Singapura) e instrutor do mesmo instituto. É professor de liderança e motivação no curso de pós-graduação em gestão de projetos (PMI) do Instituto Brasileiro de Tecnologia Avançada do grupo IBMEC. Atua como Coach desde 2003 e foi um dos primeiros a se especializar no atendimento a Gerentes de Projetos. É diretor do INSTITUTO DE COACHING MAIÊUTICA desde 1999 e tem como área de interesse o estudo das Inteligências – Emocional e Espiritual. Cleyson Dellcorso é casado, tem três filhos e um neto e tem como hobbies – radioamadorismo, velejar e mergulhar.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa