fbpx

Paternidade & Espiritualidade: Sustentabilidade nas Relações

Quais os impactos da paternidade em nossas vidas? Como a espiritualidade contribui para o estabelecimento de relações sustentáveis entre pais e filhos?

Paternidade & Espiritualidade: Sustentabilidade nas Relações entre pais e filhos

Paternidade & Espiritualidade: Sustentabilidade nas Relações entre pais e filhos

A paternidade é parte essencial da nossa evolução humana e espiritual?

Quais os impactos da paternidade em nossas vidas, seja como filhos ou como pais?

Como a espiritualidade contribui para o estabelecimento de relações sustentáveis entre pais e filhos?

O Dia dos Pais passou, mas não as reflexões que apresento aqui.

O seu último Dia dos Pais pode ter sido magnífico, pode ter sido seu primeiro Dia dos Pais sem o seu pai, pode ter sido o seu primeiro Dia dos Pais, pode ter sido com seus filhos, pode ter sido com seu pai, pode ter sido apenas virtual, pode ser sido doloroso por não ter conhecido ou não conhecer sua figura paterna, infinitas possibilidades, afinal, cada um tem sua história.

Ser filho pode não ser uma escolha, mas ser pai é!

Nascemos filho, mas não nascemos pai, e o único ser que nos dá a condição de nascermos pai, são os filhos. Já pensou nisso?

Quando colaboramos com a vida, uma nova vida nos é dada.

Os filhos nos expõem às nossas limitações e ignorâncias e nos convidam a romper nossos próprios limites, pois há coisas que até pensamos que sabemos (teoria), mas no dia a dia percebemos que não (prática).

Se somos tão impactados por isso, por que ainda há pouco espaço para essas conversas, trocar e até o benchmarking de lições e aprendizagem entre pais?

Recentemente tive oportunidade de levar para algumas empresas o Talk Show “PATERNIDADE” ou “PAPO DE PAI” que permitiu importantes reflexões sobre a paternidade, a evolução do seu papel, desafios, crenças, saúde mental, e especialmente, os impactos na formação e desenvolvimento dos filhos na vida e carreira.

Sobretudo, foi uma experiência incrível e cada organização teve sua particularidade. Algumas delas realizaram apenas para os colaboradores pais e avôs, algumas delas promoveram para o grupo de colaboradores, onde tivemos interesse e participação de pais, mães, filhos, avós, futuros papais e futuras mamães, e provavelmente quem não tem a mínima pretensão de exercer esse papel na vida e na família, mas sabe dos impactos que tiveram enquanto filhos.

Alguns pontos foram comuns nesses eventos e que merecem muita atenção.

Compreender a evolução desse papel ao longo do tempo é determinante para realização de ajustes, e sabe por quê? Pense você agora se os seus filhos fossem criados pelos seus bisavôs? Se você fosse criado por outro pai você seria quem você é hoje?

Se seus filhos fossem criados por outro pai eles seriam diferentes do que são?

Essas perguntas não são nada fáceis de serem respondidas, e o entendimento é simples, é considerável impacto nessa formação e desenvolvimento, existe uma lapidação realizada em cada um de nós por aqueles com quem tivemos oportunidade de conviver, no entanto, há coisas que são nossas.

Entendo que o desencadear desse impacto diz respeito à criação de vínculo, o que vai acontecer que nos permite estar vinculado pelo amor, pela dor, pelo ressentimento, e é aqui que se configura um importante valor da espiritualidade e que gera sustentação ou não para as relações, a prática do respeito. Respeitar é a primeira via para ser respeitado. Para ampliar essa perspectiva, o que a paternidade, na prática do seu amor, consegue respeitar a natureza dos filhos (me refiro aqui a gênero, opção sexual), as ideias, opções de carreira, a liberdade para escolhas, as necessidades individuais etc.

Certamente já viram pais que cercearam as escolhas de carreiras, que incentivaram seus filhos a terem vidas duplas simplesmente por manterem aparência por eles próprios não tinham condições de lidar com  julgamentos sociais. Quantos pais mandaram para longe seus filhos porque não sabiam lidar por perto com suas próprias limitações. Quantos filhos cometeram suicídio por não serem aceitos.

Todas essas questões e outras aconteceram  por conta da não prática do respeito, pois ser desrespeitado é uma dor sem tamanho.

A paternidade nos convida a muitas coisas, mas apenas uma é que nos acessa à evolução espiritual, o amor.

Estabelecer vínculos nos permite construir relações sustentáveis, a tal ponto de podermos participar verdadeiramente da vida de nossos filhos, e talvez um grande entrave para isso acontecer diz respeito ao ato de perdoar nossos pais, nossos filhos. Um dos caminhos é a Ressignificação de tudo aquilo que nos acontece. Tudo isso é uma prática do amor.

E bem provável que isso seja resolvido na vida, no entanto, percebo que isso normalmente é resolvido, ressignificado, aos 47 do segundo tempo, e quando isso acontece, é bom, mas quanto deixamos de desfrutar ao lado de nossos pais e nossos filhos.

Para somar parte de nossa “conversa”, deixo aqui cinco recomendações de filmes:

1. A Tenente de Cargill

Esse filme é baseado em fatos do acesso da primeira indiana nas forças áreas daquele país, e o quanto a colaboração, incentivo, e mentoria do Pai, em meio a um mundo rodeado de preconceito contra a mulher acessar essa atividade. https://youtu.be/DjRowWFJkAY

2. Cafarnaum

Também baseado em fatos, retrata a história de um garoto que processa os pais por ter nascido. Simplesmente chocante! Muitos pais precisariam assistir https://www.youtube.com/watch?v=EiXc0ei7xE8

3. À procura da Felicidade

Retrata a história de pai que se vê fracassado e abandonado por sua esposa e com um filho pequeno para criar, e tudo aquilo que eles passam só fortalece o vínculo afetivo, baseado em dois valores da espiritualidade, confiança e respeito. Um filme apaixonante.

4. Como uma estrela na terra.

Conta uma história de um garotinho autista que enviando pelo seus pais, especialmente pelo pai para uma escola distante e que nessa escola ele encontra um professor que consegue compreendê-lo e desenvolve seu talento. Quantas limitações paternas não são reveladas para lidar com características dos filhos? É filme lindo e duro para essas questões apresentadas aqui neste artigo. https://youtu.be/9Rq-aL1UAbY

5. Lion:

Uma jornada para casa. Baseado em história real, retrata a vida de um casal que escolhe a adoção para criação dos filhos. Lindo! https://youtu.be/9DbLKvpjFQk

Deixe aqui seus comentários, reflexões e críticas.

Escrito por um pai dedicado e em construção evolutiva.

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre Paternidade & Espiritualidade, e as relações sustentáveis entre pais e filhos? Então entre em contato comigo. Terei o maior prazer em responder.

Beijo no coração e abraços!

Adilson Souza, PhD
Pai do Thiago (29), Liz (7) e Lui (5)
CEO e Fundador da Estação Liderança
https://estacaolideranca.com.br

Confira também: Saúde Mental PATERNA: Por que os homens vivem menos?

 

Adilson Souza é pai de duas crianças e um adulto, marido e filho. Também é PhD pela Florida Christian University e tem mais de 30 anos de experiência e desenvolvimento do fator humano nas organizações. Como coaching e mentoring já atendeu mais de 1.000 empresários e executivos. É professor nos cursos de pós=graduação da ESPM, FGV, Florida Christian University e Ibmec. Realizou palestras e treinamento para mais de 350 mil pessoas no Brasil e exterior. Autor do livro Liderança e Espiritualidade: Humanizando as relações profissionais. CEO da Estação Liderança
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa