fbpx

Os 5 estágios da mudança!

Não gostamos de mudanças, ainda mais quando nos pegam de surpresa. Porém, imagine se essas mudanças não surgissem, como seria a sua vida? Com que pessoas estaria se relacionando? Onde você trabalharia?

“As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo de que as coisas nunca mudem”. Chico Buarque

Existem duas maneiras de sair da zona de conforto, uma é quando você decide sair e a outra é quando você é empurrado por pessoas ou situações. Em ambos os casos você é responsável pelo resultado gerado, pois tomou a decisão de como se comportar diante de algo.

“Time que está ganhando não se mexe!” é uma grande crença que nos mantêm facilmente na zona de conforto, no entanto ficar nesse estado por muito tempo te conduz ao seu estado desejado? Você acredita que pode fazer mudanças positivas controlando os riscos?

Por instinto de autopreservação não gostamos de mudanças, ainda mais se são repentinas, que nos pegam de surpresa e despreparados. Porém, imagine se essas mudanças não surgissem na sua vida, como seria a sua vida? Como seria a sua personalidade? Com que pessoas estaria se relacionando? Onde você trabalharia?

As mudanças estimulam a utilização das nossas capacidades em nos adaptar novamente, de vivenciar novas emoções e se comprometer com o novo até que vire uma rotina e naturalmente a zona de conforto.

Para compreender o nosso comportamento em relação a uma mudança que não queremos escrevo abaixo quais são os cinco estágios. Trazer para o consciente essas informações podem permitir que você altere esse modo automático e não necessariamente uma regra e torne as mudanças mais fáceis e positivas pra você:

1) Negação: esse estágio é de completa negação, você não consegue acreditar que isto está acontecendo com você e que a vida é injusta;

2) Fúria: aqui além de estar descontrolado emocionalmente você pode até arranjar culpados para a sua mudança, pois está furioso e não consegue enxergar os propósitos ou benefícios dela, somente os riscos e perdas;

3) Barganha: inicia-se a negociação com Deus ou com a sua crença espiritual ou com as pessoas envolvidas com o objetivo de condicionar as suas ações com algum resultado que você deseja;

4) Depressão: nesse estágio entramos no papel de vítima e só focamos no negativo, acreditamos que não temos forças para lidar com a situação e que essa mudança não vai trazer nada de positivo;

5) Aceitação: depois que entender que não tem como fugir da mudança, aceitará e vai fazer com que ela aconteça da melhor forma e com menos “prejuízos” (emocionais, financeiros, físicos, entre outros).

Não há problemas se você está na zona de conforto e quer continuar. A minha intenção é conscientizar que se você não está conseguindo chegar aonde quer é porque tem algo errado e, ficar nesse estado, não vai te proporcionar a realização das suas metas. Se vier uma mudança na sua vida, seja grato, ela tem um propósito pra você e, quanto mais cedo você aceitar e agir para que tudo se estabeleça naturalmente, irão abrir novos caminhos e oportunidades na sua vida.

Grande Abraço!

Mayra Soares Author
Mayra Soares tem 11 anos de experiência profissional em Gestão e Desenvolvimento de Pessoas. É Mentora pela Erlich Consultoria, Trainer Comportamental pelo Instituto de Formação de Treinadores (IFT), Master Coach com especialização em Business and Executive Coaching e Professional and Self Coaching, Consultora Analista Comportamental e Avaliação 360º certificada pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC), Behavioral Coaching Institute (BCI), International Coaching Council (ICC), European Coaching Association (ECA), Global Coaching Community (GCC), International Association of Coaching (IAC), Metaforum International e International Association of Coaching Institutes, Practitioner em PNL pela SCORE e Leader Coach pela Ellite Consultoria. Graduada em Gestão de Recursos Humanos, Pós-graduada Docência no Ensino Superior e Pós-Graduanda em Essencial Master Coaching. Coautora dos livros COACHING NAS EMPRESAS – Estratégias de Coaching para o ambiente corporativo e RH Trabalho e Aprendizado.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa