fbpx

Emotologia e a Arte de Liderar além da Razão

Muitos líderes se condicionam a exercer sua liderança a partir da lógica e da razão, mas liderar envolve outros aspectos tão importantes quanto, ou mais.

Líder, você sabe o que é EMOTOLOGIA? E por que você precisa saber disso?

Líder, você sabe o que é EMOTOLOGIA? E por que você precisa saber disso?

Muitos líderes se condicionam a exercer a sua liderança a partir da lógica e da razão, mas liderar envolve outros aspectos tão importantes quanto, ou mais.

Entendendo a Emotologia

Emotologia ou emotização é uma técnica criada por um cientista brasileiro, Dr Luiz José Machado, PhD. Na sua pesquisa apresentada na Suécia em 1984, defendeu que a inteligência depende mais dos sistemas das emoções no cérebro do que do intelecto com as suas funções cognitivas. Posteriormente, o homem considerado o pai da psicologia positiva, Martin Seligman, autor do Best Seller Inteligência Emocional, disseminou essa ideia pelo mundo.

Praticar a emotologia é sentir as emoções daquilo que se imagina, como se já fosse realidade. Isso acontece com maior facilidade quando estamos em estado de relaxamento, possibilitando um fenômeno denominado pela Física Quântica de Colapso da Função de Onda. Esse fenômeno marca o momento em que uma onda se torna uma partícula.

A Física provou que tudo que compõe a realidade que vivemos são ondas colapsadas, ou seja, existiam como possibilidades no Universo. E foram trazidas para a realidade física no momento do colapso da função de onda.

Colapsar a onda é trazer para a realidade física qualquer coisa que, até então, era apenas uma possibilidade. Em outras palavras, podemos materializar tudo o que imaginamos e sentimos, se agirmos do jeito certo.

Como praticar a Emotologia? 

Primeiro precisamos alinhar os nossos pensamentos, sentimentos e ações, ou seja, se queremos conquistar algo, devemos primeiro pensar detalhadamente no que queremos, sentir como se isso já fosse real – o que poderíamos chamar de “a verdadeira fé”- e agir em total sintonia com isso.

Eu costumo dizer que dentro de nós existem três homenzinhos que, ao trabalharem unidos de forma positiva, nos levam, de fato, a experimentar resultados incríveis. O primeiro é responsável pelo pensamento, o segundo pelos sentimentos e o terceiro, pela ação. Quando há um conflito entre eles, o segundo, responsável pelos sentimentos, sempre vence. Dessa maneira, quando o pensamento é positivo e as ações são positivas, mas o sentimento é negativo, o resultado corresponde ao sentimento.

Trazendo esse exemplo para o exercício da liderança, podemos considerar que exercer o pensamento positivo, nesse caso, é estudar, planejar e pensar no resultado tal como se espera que ele aconteça; as ações positivas representam a execução competente daquilo que se planejou realizar.

Até aqui está correto, entretanto, se o sentimento, muitas vezes ignorado pelo excesso de pensamentos e ações, for negativo, de nada valerá todo o esforço. Isso explica a razão pela qual muitos líderes trabalham arduamente e não conseguem chegar ao resultado que desejam.

Há alguns anos, um cliente desabafou sobre a sua dificuldade de contratar gestores qualificados e engajados com o propósito da empresa. Ele alegou ter usado todos os recursos possíveis e necessários que pudessem ajudá-lo a encontrar o profissional que atendesse os requisitos importantes para aquela vaga. Ao investigar a causa, me deparei com ações estratégicas e inteligentes que poucos grandes líderes fariam. Deixando claro que no campo do pensamento e da ação ele atingia a excelência, mas, entretanto, faltava o essencial: o sentimento. No conflito entre os seus três homenzinhos, o sentimento sempre ganhava.

Ao olhar os seus resultados por esse aspecto, ele logo percebeu que tinha perdido a fé nas pessoas. Era o terceiro colaborador em menos de 6 meses naquela função. Internamente uma voz dizia: “as pessoas estão cada vez menos comprometidas”; “é tão difícil encontrar pessoas resilientes e responsáveis hoje em dia”; “é raro encontrar pessoas que queiram trabalhar pra valer”. Na queda de braço com o pensamento e a ação, o sentimento estava certamente ganhando medalha de ouro. Depois dessa tomada de consciência, então ele começou a praticar a emotologia e um mês depois conseguiu a pessoa certa para o cargo. Hoje esse colaborador, fruto de uma relação harmoniosa entre os seus três homenzinhos, se tornou um dos seus aliados mais importantes dentro da organização.

A prática da emotologia começa no pensamento. O que queremos? Ter uma equipe engajada, uma empresa feliz, harmoniosa e lucrativa?

Pensar naquilo que queremos, em detalhes, é o primeiro passo. A partir daí vem, de fato, o passo mais importante, que é a forma como nos sentimos em relação ao que queremos; é preciso sentir como se o nosso desejo já fosse realidade.

O campo da ação, que é onde a maioria das pessoas concentra energia, é sempre motivado pelos dois anteriores. Isso explica porque muitas pessoas agem tanto e realizam pouco. Elas até podem pensar em detalhes sobre o que querem. Mas se o sentimento não for positivo, o que irá acontecer é a materialização daquilo que elas estão sentindo.

É importante saber que:

“Quando há conflito entre o pensamento, o sentimento e a ação, o sentimento sempre será o vencedor.” (Bob Proctor)

Se você se identificou com este conteúdo, então compartilhe com mais pessoas.

Se deseja mais conteúdos como este, acompanhe meu trabalho no Instagram, será um prazer ter você por lá. Acesse: @shirleybrandaooficial 

Gostou do artigo? Quer conversar mais sobre Emotologia e a arte de liderar além da razão? Entre em contato comigo. Terei o maior prazer em ajudar.

Um grande abraço e até o próximo mês.

Shirley Brandão
https://shirleybrandao.com.br/

Confira também: Desafio da Liderança: Ouse liderar a si mesmo!

 

Shirley Brandão acumulou mais de cem mil horas exercendo cargos de alta liderança ao longo de seus 31 anos de experiência. É administradora; Especialista em Liderança e Gestão Organizacional pela Franklin Covey, Pós-graduada em Coaching, Liderança e Consultoria pela Organização Condor Blanco/Chile; Master Coach. Desenvolve programas personalizados para líderes utilizando técnicas de Coaching e Mentoring. É sócia-fundadora do Grupo Vivencial Eu Pleno – Terapia e Coaching Vibracional (Brasil/Atacama/Capadócia); Criadora do workshop online Viva Sua Melhor Versão; Facilitadora Internacional do Método Heal Your Life de Louise Hay; É sócia-fundadora do Workshop Outdoor Vivencial A Jornada do Propósito; Conferencista Internacional já tendo ministrado palestras em Londres e Nova York. Certificada MBTI Step I e II. Escritora, autora do livro O Caminho de Shanti – O Perdão Muda Tudo, Editora Hércules. Membro Honorífico da AILB – Academia Internacional de Literatura Brasileira ocupando a cadeira de número 183. Shirley atribui sua ascendência profissional à sua forte paixão pelo desenvolvimento humano. Seu propósito de vida é fazer as pessoas acreditarem que podem voar e assim fazê-lo à altura de seus sonhos.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa