fbpx

O que aprendi com Leonard Nimoy!

Você já teve ter ouvido falar do Senhor Spock de “Jornada nas Estrelas” e agora deve estar se perguntando o que este momento Geek tem a ver com carreiras e com a nossa coluna, certo? Tudo!

Olá, meu querido leitor!

Não sei se você conheceu Leonardo Nimoy, mas se você tem mais de trinta anos, certamente já ouviu falar do Senhor Spock da antológica série de tevê Jornada nas Estrelas. O personagem de sobrancelhas afiladas e orelhas pontudas é natural do planeta Vulcano, é conhecido por sua incrível capacidade analítica e sua quase que completa abnegação das emoções humanas. Digo quase, pois este personagem é filho de um Vulcano com uma Terráquea e por conta do “sangue sujo” ele ainda sofre com algumas emoções.

Você agora deve estar se perguntando o que este momento Geek tem a ver com carreiras e com a nossa coluna?

Tudo!

Quando atuamos no mundo corporativo, buscamos atuar de acordo com os padrões de comportamentos estabelecidos, criando uma personagem que no Método C.A.R.M.A.® (visite o site, clique aqui) chamamos de Eu profissional. Diferentemente do Eu verdadeiro, que é quem somos em nossa intimidade e solidão, o Eu profissional é moldado para atender ao conjunto de pessoas que são as partes interessadas ou ainda, os nossos stakeholders.

Estas pessoas, em menor ou maior grau afetam nossa carreira e nossas possibilidades de movimentação e crescimento. Não é à toa que as áreas de recursos humanos e gestão de pessoas utilizam do expediente de avaliações em trezentos e sessenta graus para aferir a performance e o potencial de crescimento das equipes.

A rede de relacionamentos que mantemos precisa ser tratada como o que realmente são, ou seja, clientes. Moldamos-nos toda a nossa forma de atuação pra que se enquadre nas expectativas de valor que esta rede de contatos congrega. Os profissionais de Recursos Humanos sempre dizem que as pessoas são contratadas por seu conhecimento e demitidas por seu comportamento.

Esta forma de pensar, nos aproxima muito dos personagens Vulcanos da ficção. Para que a sociedade deles pudesse prosperar, tacitamente, fizeram um acordo que depois se transformou em lei e depois disto fixou-se ao jeito de ser e pensar das pessoas. Eles suprimem seu Eu verdadeiro em prol do melhor relacionamento e da evolução do grupo.

Contudo, a maior lição que aprendi com Leonard Nimoy na pele do Senhor Spock não está somente na forma como ele suprime suas emoções e molda seu comportamento, mas sim na existência de um ritual chamado Plak-tow que significa literalmente sangue fervendo. A cada sete anos, os Vulcanos libertam todas as emoções reprimidas e agem como lhes der na cabeça, o que invariavelmente envolve violência e pé na jaca. Este ritual é respeitado como parte da cultura, tanto que pela lei, uma morte ocorrida durante o Plak-tow não é considerada crime.

A lição que aprendi não é esperar sete anos para fazer tudo o que ficou reprimido e sair pelo mundo fazendo coisas que depois certamente vou me arrepender. Até mesmo, porque aqui é a realidade e não somos Vulcanos, mas sim, a importância de criarmos um espaço em nossas vidas para podermos ser quem nós mesmos somos. Sem interpretar papel algum.

  • Não para o profissional;
  • Não para os pais;
  • Não para os casais;
  • Não para os filhos.

Somente um tempo para que possamos estar em paz e conectados com nós mesmos, sem juízo de valor ou crítica. Este tempo pode ser dedicado a um hobby, à leitura, ao esporte e até mesmo à oração ou meditação. Desde que o tempo seja seu.

Isto funciona como um gostoso banho quente após um dia de muito trabalho. Estou certo que você conhece a sensação.

Busque o seu momento, o seu Plak-tow. Você verá que o corpo responderá melhor, a mente ficará mais clara e você poderá viver uma vida longa e próspera.

Edson Carli Author
Edson Carli é Economista com pós-graduação em Gestão de Marketing e Finanças Internacionais. Especialização em Teologia e Antropologia. Iniciou a carreira no segmento de tecnologia desde operador até CIO. Após dez anos, entrou para o mercado de consultoria onde foi diretor de grandes empresas do setor como: IBM, KPMG e Neoris do Brasil (grupo CEMEX). Na última década dedicou-se ao negócio próprio de Gestão de Talentos onde especializou-se em Gestão de Carreiras e hoje é considerado um dos principais nomes no segmento de orientação profissional com milhares de clientes em sete países. Em 2005 desenvolveu a teoria CARMA – Career And Relationship Management que deu origem a três livros: ‘Autogestão de carreira – Você no comando da sua vida’ (presente na lista dos mais vendidos categoria negócios pela Publish News), ‘Coaching de Carreira – Construindo profissionais de sucesso’ e ‘CARMA – Career And Relationship Management’
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa