O peso da fantasia em nossas vidas

O personagem é aderente aos valores, crenças e ao propósito do ator que o interpreta? O gerenciamento de sua carreira na busca do sucesso e da realização passa pela completa compreensão do cenário onde seu personagem está inserido.

– Chefe, quero a minha demissão!

– Logo agora? Você melhorou muito nos últimos meses.

– Sim, percebi que nestes últimos meses estou me tornando um profissional igual a você.

– Bem, sou seu superior, isso deveria ser a meta de muita gente.

– O motivo da minha demissão não é ter me tornado um profissional igual a você. O que me revolta é perceber que para ser um profissional igual a você, precisei me tornar uma pessoa igual a você e isto eu não posso aceitar.

Olá!

O diálogo acima foi retirado de um seriado de televisão e foi protagonizado por dois médicos durante, obviamente, uma situação limite que levou um dos cirurgiões a sair do hospital fictício e da série de televisão. Separei este diálogo para comentar com você, meu querido leitor, os efeitos que a pluralidade dos relacionamentos pode causar na forma como nos vemos e como nos valorizamos.

Quando desenvolvi o método CARMA no início do século, eu ainda não tinha uma ideia clara de onde o programa com sua forma diferenciada de fazer Coaching, me levariam e principalmente à mudança que poderia causar em pessoas de diferentes crenças, regiões e culturas. O raciocínio era elementar e simples, como é hoje: Somos plurais, o sentido de valor cabe ao nosso observador e para conseguir progredir na carreira, precisamos ter nosso valor reconhecido pelos observadores. Até aí, tudo ok.

Contudo, não podemos simplesmente ignorar o fato que nossos personagens profissionais são criações nossas que somente existem no meio físico fazendo uso das características, pensamentos, verdades e crenças do Eu verdadeiro, ou seja, daquela porção da nossa identidade que é imutável. Somos quem somos e com o passar do tempo, simplesmente, confirmamos esta identidade de maneira mais e mais contundente.

É impossível para qualquer um de nós, exercer um protocolo de comportamentos profissional que seja radicalmente diferente da forma como pensamos, somos e acreditamos, por um tempo demasiadamente prolongado. O efeito sobre nossa estrutura psicológica é devastador e corremos o risco de passar, na vida pessoal, sem o personagem que desenvolvemos ou ainda, desenvolver um conjunto de patologias próprios do acúmulo de frustrações, como por exemplo, o isolamento e a depressão. Não. Não sou psicólogo e nem tampouco terapeuta. O diagnóstico de depressão é algo sério e só pode ser realizado por profissionais capacitados. A depressão a que me refiro é a depressão profissional, configurada pela apatia, irritabilidade, falta de interesse e foco demasiado no ganho financeiro.

Gosto muito de metáforas para ilustrar situações complexas, então eu recorro a algo que nós brasileiros conhecemos bem: O carnaval. Mais precisamente os desfiles de escolas com suas alas e enredos. Vamos focar por um minuto em uma das alas mais respeitadas e merecedoras de nosso carinho que é a ala das baianas. Pense naquelas senhoras, muitas delas com o peso dos anos nas costas, recebendo o peso dos adereços, da fantasia e das alegorias de cabeça. Naquele curto espaço de tempo, cada pessoa daquela, independente da profissão, escolaridade, religião, histórico familiar ou qualquer outra característica de unicidade, torna-se uma baiana. Desfila e evolui alegremente ao som do samba enredo e, ao final, passando pelo portão da dispersão, livra-se da fantasia e conclui sua passagem.

Agora pense que por um momento, o portão e a dispersão não existissem. Pense por um momento que estas belas senhoras tivessem que usar esta fantasia por horas e mais horas, sem saber exatamente quando poderiam deixar de ser baianas para voltar a serem elas mesmas? Como ficariam? Como o peso da fantasia poderia incomodar e incomodar e incomodar até que a alegria desaparecesse, o samba não mais fosse ouvido e a evolução tornar-se-ia uma marcha cruel, cadenciada e vazia.

Este é o ponto principal de nossa reflexão, ao trabalharmos nossas carreiras e, principalmente, quando trabalhamos os mapas mentais de nossos clientes para o sucesso na carreira.

O personagem é aderente aos valores, crenças e ao propósito do ator que o interpreta?

Se sim, maravilha! Como faremos disso nossa ferramenta de construção de momentos felizes, que na somatória, serão nossas lembranças da felicidade. Mas, e se não?

E se hoje, estamos aprisionados em uma fantasia pesada, vagando pela avenida viciados nos aplausos que recebemos das arquibancadas disfarçados de regalias como:

  • Reconhecimentos materiais e intangíveis;
  • Benefícios diferenciados;
  • Vaga privativa no estacionamento;
  • Sala e mesa maiores;
  • Viagens internacionais em classe executiva;
  • Milhares de amigos reais e virtuais que são mais amigos do cargo que da pessoa.

Se isto estiver acontecendo, meu querido leitor, a hora é de parar. Não. Não quero que você se desligue da sua empresa e nem tampouco faça nada radical. É hora de parar de ouvir somente as arquibancadas e passar a ouvir o seu coração. É hora de criar em sua mente o portão que leva para a área de dispersão da escola de samba. É hora de estabelecer um limite de tempo para o uso da fantasia.

É hora de usar a inteligência.

O gerenciamento de sua carreira na busca do sucesso e da realização passa pela completa compreensão do cenário onde seu personagem está inserido. Cada passo, cada movimento e cada comportamento devem ter única e exclusivamente o propósito de tornar a vida do Eu verdadeiro mais feliz e realizada. Quando criei o Método CARMA, este era o meu sonho:

Tornar melhor todas as pessoas que cruzarem o meu caminho.

Sigo confiante que esta missão está sendo realizada e a cada contato que faço com as pessoas que praticam o método ao redor do mundo ou mesmo aqueles que ainda não deram o passo decisivo, mas que leem os livros e deixam seus recados nas mídias sociais. Sinto que é possível ser bem-sucedido, conquistar seus sonhos e ainda assim, não abrir mão de nossa essência.

Semanas atrás quando treinava um grupo de profissionais para receberem a certificação de Master Coaches, relembrei uma frase que compartilho com você agora. Repita para você mesmo:

Eu sou bom. Sou muito bom. Sou tão bom que posso ser quem eu quiser, sem deixar de ser quem eu sou!

Pense nisso!

Edson Carli Author
Edson Carli é Economista com pós-graduação em Gestão de Marketing e Finanças Internacionais. Especialização em Teologia e Antropologia. Iniciou a carreira no segmento de tecnologia desde operador até CIO. Após dez anos, entrou para o mercado de consultoria onde foi diretor de grandes empresas do setor como: IBM, KPMG e Neoris do Brasil (grupo CEMEX). Na última década dedicou-se ao negócio próprio de Gestão de Talentos onde especializou-se em Gestão de Carreiras e hoje é considerado um dos principais nomes no segmento de orientação profissional com milhares de clientes em sete países. Em 2005 desenvolveu a teoria CARMA – Career And Relationship Management que deu origem a três livros: ‘Autogestão de carreira – Você no comando da sua vida’ (presente na lista dos mais vendidos categoria negócios pela Publish News), ‘Coaching de Carreira – Construindo profissionais de sucesso’ e ‘CARMA – Career And Relationship Management’
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa