fbpx

O Medo e a Resiliência para Superar as Dificuldades

Desenvolver a Resiliência não elimina o vírus, nem tão pouco o medo, mas é um comportamento que pode auxiliar a gerenciar e administrar as dificuldades.

O Medo e a Resiliência para Superar as Dificuldades

O Medo e a Resiliência para Superar as Dificuldades

Estamos há mais de um ano vivendo esta Pandemia que nos tomou de surpresa, e que não tem dia nem hora para ir embora.

Estamos todos sob essa tensão, embora com resultados mais positivos para alguns que seguiram a regra para diminuir as consequências negativas e destruidoras desse vírus que nos assola.

Alguns bons exemplos são a Nova Zelândia e a Austrália, com as suas restrições de fronteira e exigência de quarentena, conseguiram obter êxito no controle da Pandemia. A população destes Países já pode ter uma vida normal. Na Nova Zelândia expatriados pagam caro para voltar nos raros voos e precisam esperar uma vaga de hotel para quarentena, só assim são autorizados a retornar.

Estes Países seguiram as instruções à risca com lockdown, medidas sanitárias e ajuda financeira à população. Isso permitiu o controle e baixos índices de contaminações e óbitos.

Outro exemplo de sucesso é Israel, que seguindo o caminho da imunização atingiu excelentes resultados e a sua economia volta a crescer.

Os EUA, depois de muitas baixas, seguem por esse caminho. Têm vacinado a sua população com uma velocidade absurda e dessa maneira permitirá a imunização de sua população em breve.

Mas no resto do planeta ainda há muita preocupação, vale ressaltar o descontrole assustador na Índia; e porque não dizer a preocupação acentuada no Brasil, com medidas restritivas tênues e com desrespeito às regras sanitárias necessárias. Esperamos a santa imunização através da vacinação, que ocorre a passos lentos.

A grande questão é como equilibrar o medo diante desse elemento intangível que é o Coronavírus? Mesmo nos Países que conseguiram conter a Pandemia, permanece o medo do descontrole e de uma suposta nova onda.

O medo passou a permear as nossas relações, sejam mais próximas e íntimas, como mais distantes. Estamos num processo de alerta o tempo todo. Alguns de forma obsessiva, outros com equilíbrio e ponderação. E alguns (ou muitos) com total descaso, negando o perigo.

Cada um de nós pode fazer o seu papel, desenvolvendo a sua Resiliência, através de ressignificar as crenças que determinam este comportamento.

Estudos científicos mostram que a Resiliência não é um traço de personalidade, mas sim um comportamento aprendido ao longo da vida que nos prepara para lidarmos com as adversidades.

No meu trabalho como Psicoterapeuta, Coach e Especialista na Abordagem Resiliente, procuro trabalhar com o meu cliente como ressignificar essas Crenças que Determinam o Comportamento Resiliente (MDCs), a saber:

  • Análise de Contexto – nada mais do que apoiar as decisões em fatos e evidências;
  • Autoconfiança – autoconhecimento que lhe permite oferecer e então entregar o que se propõe;
  • Autocontrole – ter consciência de si e modular a resposta certa para o momento;
  • Empatia – conhecer a essência do outro e como atendê-lo, e assim obter o seu apoio;
  • Otimismo para a vida – ter entusiasmo e bom humor, o que auxilia na criatividade para a resolução dos problemas;
  • Conquistar e manter pessoas – ter uma rede de apoio, com a qual possa contar nos momentos de dificuldades;
  • Leitura Corporal – ter uma percepção do seu organismo nos aspectos físico, emocional e cognitivo, o que lhe permite assim gerenciar o estresse;
  • Sentido de Vida – conhecer o seu objetivo mais elevado, a sua marca que coloca no que faz ao longo da vida.

Desenvolver a Resiliência não elimina o vírus, nem tão pouco o medo, mas é um comportamento que pode auxiliar a gerenciar e administrar as dificuldades e permite realizar as melhores opções para a sua vida de fato.

Não é uma resposta mágica, pois exige esforço pessoal e análise. É uma ferramenta que auxilia no fortalecimento e no direcionamento das suas atitudes.

“Resiliência é agir com pensamentos e comportamentos flexíveis para enfrentar as adversidades de forma estratégica e com menor impacto negativo” (SOBRARE)

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre medo e resiliência? Então entre em contato comigo. Terei o maior prazer em responder.

Natalia Marques
Psicóloga, Coach e Palestrante
http://www.nataliamantunes.com.br/

Confira também: Síndrome de Boreout: O Tédio ao Trabalho tomou conta de você?

 

Natalia Marques é Psicóloga Clínica, Coach e Palestrante. Formada em Psicologia pela FMU (1981) e em Coaching/ Mentoring Life & Self-Instituto Holos, possui pós-graduação em Recursos Humanos pela FECAP. Tem curso de Meditação Chan do Templo Zu Lai em Cotia. Como Psicóloga Clínica realiza atendimento Psicoterápico de base Psicanalítica, trabalha os sintomas de Estresse, Ansiedade, Depressão, Fobias, Síndrome do Pânico, Síndrome de Burnout, Conflitos Pessoais e Profissionais. É Coach de Desenvolvimento Pessoal, ajuda pessoas a atingirem seus objetivos e metas pessoais e profissionais, para se tornarem mais felizes. Especialista em Saúde Organizacional e Ocupacional, atua ainda como palestrante em temas de saúde, resiliência, trabalho, carreira e pós carreira. Associada da ABRH, ISMA Brasil e SOBRARE. É coautora no livro “Planejamento Estratégico para a Vida”, onde trata o tema da “Resiliência”.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa