Modalidades de Coaching

A fragmentação provocada pela especificidade do campo de aplicação traz um risco latente da banalização do próprio processo de Coaching.

Antes de mais nada, vale lembrar que Coaching é um processo de desenvolvimento e, como todo processo, implica lidar com o aspecto atemporal e individual inerente a todo ser humano, pois nem todas as pessoas são capazes de realizar mudanças na mesma intensidade e velocidade.

O Coaching tem sido discutido no mundo e a cada dia, nos deparamos com algumas atividades que ao contrário do que acreditamos, dão soluções prontas aos Coachees, fugindo totalmente dos padrões éticos que devem pautar a atividade de Coaching, colocando em risco a imagem dos que levam a profissão a sério, com muita dedicação, estudos e investimentos elevados para se desenvolverem de forma continuada.

Aqui nos deparamos, portanto, com uma ampla perspectiva a respeito de tipos de Coaching e de diferentes contextos, como é o caso do Coaching de Habilidades e Desempenho, Coaching de Desenvolvimento, Coaching Transformacional, Coaching Executivo e de Liderança, O “Gerente como Coach”, O Líder Coach, Coaching de Equipe, Coaching de Pares, Coaching de Vida, Coaching de Carreira e Coaching Transcultural.

Não quero aqui entrar no aspecto do que é certo ou errado, mas sim apontar que este detalhamento do processo de Coaching não me parece contribuir para o estabelecimento de princípios gerais que justificariam nomear todas estas modalidades através de um único conceito. Na minha opinião, a fragmentação provocada pela especificidade do campo de aplicação traz um risco latente da banalização do próprio processo de Coaching abrindo espaço para confundir não só as empresas contratantes como também as pessoas que queiram participar de um processo como parte de seu desenvolvimento pessoal.

A partir de 2003, o Coaching foi aparecendo nas notícias de jornais e revistas e, aos poucos, fazendo parte de Seminários, Fóruns e Congressos, até chegar aos dias de hoje, quando participa de todos os cenários dos mais diversos setores da vida profissional.

Nos primeiros anos falou-se em Executive Coaching, Coaching Administrativo, Coaching Estratégico, Coaching Gerencial, Personal Coaching e, aos poucos, foram aparecendo linhas de trabalho em Coaching: como o Coaching Integrado, Coaching Integral (PNL, Constelações Sistêmicas, Abordagem Transpessoal, Sistêmica e Integrativa), Coaching Sistêmico (Técnicas avançadas do Pensamento Sistêmico + Foco em Metas), Coaching Integral Sistêmico (baseado num conjunto de práticas e disciplinas e se propõe a mudar todas as áreas da vida), Coaching Ontológico (Ontologia da Linguagem e Experiências de vida), Coaching Ontológico Transformacional, Coaching para o Sucesso, Coaching de Alta Performance, Coaching Antroposófico, Coaching Holístico, Coaching de Carreira, Coaching com foco no desempenho, Coaching de Equipe, Coaching de Projeto, Coaching de Grupo, Coaching Integral (baseado na Filosofia Integral de Ken Wilber), Life Coaching/Coaching de Vida, Self Coaching, Coaching Clinic, Coaching de Negócios, Neuro Coaching, Coaching e Eneagrama, Coaching para atores, Coaching Financeiro, Coaching de tudo e para tudo (saber se vestir, escolher um imóvel, emagrecer, procurar um(a) companheiro(a) e muitas coisas mais).

Assim, escolhi algumas modalidades de Coaching para abordar nesse artigo, com o intuito de provocar nos nossos leitores o desejo de maior aprofundamento em cada uma dessas modalidades e com o objetivo, talvez pretensioso, de prestar alguns esclarecimentos conceituais, mantendo uma linha mais acadêmica e de fácil acesso à literatura disponível, para os que possam e desejem pesquisar.

A primeira modalidade, portanto, é o (Executive Coaching) – Coaching para Executivos.

Trabalha o aperfeiçoamento da performance do executivo em sua carreira. Trabalha as estratégias para o desenvolvimento potencial das competências importantes e necessárias, como liderança, assertividade, planejamento, relacionamento interpessoal, eficácia na comunicação, etc. O Coaching Executivo é praticado hoje por um expressivo número de Presidentes das Maiores Empresas e também dos altos executivos dos EUA e vem crescendo muito em todos os níveis de Liderança, segundo dados publicados em revistas de grande circulação com temas executivos como a Revista Fortune 500 e é apontado por especialistas em gestão como a mais importante ferramenta para desenvolvimento de carreiras da atualidade. No Brasil as estatísticas apontam que o mercado tem demandado mais processos de Coaching acompanhando o que já acontece nos EUA e na Europa.

O Coaching Executivo se caracteriza pelo conjunto de sessões no atendimento feito por um Coach a um profissional, o Coachee é em geral encaminhado pela empresa onde este trabalha ou por outro profissional conhecido seu que já conhece a atividade. Durante o desenrolar das sessões, acontece um processo de desenvolvimento, com começo, meio e fim, com desdobramentos e resultados importantes para o desenvolvimento do executivo.

Não existe um número delimitado de sessões para um processo de Coaching Executivo e cada Coach faz essa proposta segundo sua forma de entender o Coaching e segundo sua experiência. Em geral, a proposta é constituída de uma série básica de sessões (8, 10, 12, 15 ou mais), com duração que também varia (1 hora, 1 hora e meia, 2 horas) e intervalo entre os encontros que depende de cada situação (semanal, quinzenal ou mensal). Caso os objetivos com os quais o processo se iniciou não sejam atingidos durante esse tempo proposto, novas sessões de Coaching são a ele adicionadas, depois de uma avaliação conjunta Coach/Coachee e, no caso de ser demanda de uma empresa, com aprovação da mesma.

Durante o conjunto todo de sessões vão acontecendo: inicialmente, o estabelecimento da confiança Coach/Coachee e depois, com o apoio do Coach, se assim pudermos resumir, o descobrimento do Coachee sobre seus próprios valores e capacidades, sua forma de realizar suas funções, como adaptar-se às situações do dia a dia e fortalecer-se para enfrentar eventuais adversidades.

A segunda modalidade destacada aqui é o (Career Coaching) – Coaching de Carreira. Um processo poderoso para quem está insatisfeito com sua atual carreira e deseja realizar uma mudança de área profissional e não sabe por onde começar, bem como para quem está indeciso sobre qual área atuar.

Muito utilizado por recém-formados, executivos e diretores de empresas, empresários e profissionais liberais. É uma ótima alternativa, pois o processo permite que se construa uma estratégia e uma plano de ação efetivo.

Há um movimento um tanto mais recente, de empresas que proporcionam o processo de Coaching de Carreira para seus executivos, com o objetivo de apoiá-los na administração de suas próprias carreiras, para que façam as escolhas com mais consciência, para que se sintam protagonistas de suas trajetórias profissionais e preparem-se para o futuro, quando atingirem o tempo de deixarem o mercado de trabalho formal e eventualmente partirem para um segundo momento de carreira.

A terceira modalidade que escolhi, é o (Team Coaching) – Coaching de Equipe. Tem o objetivo de desenvolver competências na equipe. A partir de um levantamento realizado com seus componentes e alinhamento com o líder. No início do processo, normalmente, escolhe-se entre uma e duas competências mais necessárias para o alcance das metas da equipe. Em seguida, trabalha-se nela periodicamente, com forte parceria e comprometimento através de planos de ações.

Nesta modalidade, certos cuidados são vitais para preservar o processo, por exemplo não se misturar hierarquias e assim coibir que o processo flua com a máxima naturalidade.

A quarta modalidade o (Sportive Coaching)Coaching Esportivo. É focado para que equipes e atletas possam atingir seu maior rendimento nas competições. O Coaching esportivo trabalha o comportamento das Equipes e dos Atletas individualmente ampliando suas visões. O Coaching Esportivo é muito comum nos EUA e na Europa e visa desenvolver formas para aumento da performance, da concentração, do equilíbrio emocional,  ampliação da visão e da consciência, das capacidades individuais e de Equipe, para enfrentarem não só a pressão da competição em si, mas durante o pesado programa de treinamentos, disciplina com dietas e escala de vida regrada com horários estabelecidos para quase tudo.

Mas, muitas vezes, ainda nos deparamos com profissionais que comparam o Coaching esportivo com o empresarial, acreditando tratar-se da mesma prática. Não há dúvida de que, em se tratando de um esporte de equipe, a ideia de integração de um grupo (pensando aqui em todos os profissionais da empresa) para vencer um desafio (atingir metas competitivas) está presente tanto no esporte como na empresa. Mas, a forma de ser Coach e dar Coaching é tão diferente nas duas realidades como água e vinho. E mais diferente ainda é a forma como se processa a aprendizagem nas duas.

Não posso deixar passar a oportunidade de mencionar meu ceticismo em alguns casos em que o Coach usa técnicas de correção de postura, por exemplo, dando claras indicações de como, quando e o que fazer ao seu Coachee e daí minha dúvida e ao mesmo tempo provocação ao nosso leitor se neste caso podemos chamar o processo de treinamento de Coaching.

A menos que, mais que treinamento puro do como fazer, a técnica seja usada para que o Coachee, adquira consciência de que antes de entrar numa quadra, campo ou arena de esportes, ele ou ela já travam o chamado jogo interior que segundo Tim Gallwey merece toda atenção.

E com técnicas específicas, trazer ao nosso cliente, possibilidades de equilibrar o que Gallwey chama de Inner e Outer games. O Jogo Interior e Exterior, talvez matéria para um outro artigo.

Coaching Empresarial ou de Negócios é uma modalidade de Coaching direcionada a empresários e consiste em auxiliar, através de técnicas, ferramentas e práticas do Coaching para que estes desenvolvam novas habilidades e as competências necessárias para o alcance de alta performance no ambiente empresarial.

Imaginemos que o fundador de uma empresa que não tem autoconfiança e, portanto, não consegue liderar seus colaboradores, comunicar-se de forma efetiva com eles, delegar com assertividade. Procrastina decisões, tem dificuldades de definir metas e objetivos!

Se este empreendedor não desenvolver as competências “certas” não manterá seu negócio por muito tempo.

Para evitar que empresários com potencial não alcancem seus objetivos em decorrência de certas limitações, um processo de Coaching será o ideal para apoiá-los em sua evolução. Entender a missão de vida, conhecer as limitações e pontos de melhoria, identificar as crenças sabotadoras que o impedem de ter uma liderança efetiva, são alguns dos possíveis benefícios do Coaching empresarial.

Além disso, o Coaching empresarial também trabalha aspectos pessoais, como na melhoria dos relacionamentos familiares, até porque, em decorrência do trabalho e da posição de liderança, muitos empresários não conseguem gerenciar seu tempo de forma a atender tanto as expectativas da família, como da empresa e dos colaboradores, e isso acaba por causar conflitos que impactam diretamente nos resultados de sua empresa.

Se não bastasse isso, muitas empresas têm o perfil familiar, e muitos problemas pessoais, entre membros da família, são trazidos para o ambiente da organização, o que influencia diretamente nos relacionamentos e como consequência nos resultados da empresa.

Para assegurar que todos esses fatores não interfiram continuamente na empresa e em seu crescimento, o Coaching empresarial trabalha no sentido de ajudar o cliente a: administrar de forma assertiva seu tempo, liderar com confiança seus colaboradores, delegar com êxito, tomar decisões com mais facilidade, uma vez que, tendo desenvolvidas todas essas aptidões se torna mais fácil solucionar os conflitos interpessoais. 

(Life Coaching) – Coaching de Vida. Outra dificuldade para se estabelecer um conceito equilibrado de Coaching foi quando da chegada ao mercado do life-coaching, levando a uma errônea associação de Coaching com autoajuda, com uma ajuda milagrosa e rápida para todo e qualquer mal.

Nos últimos anos, foi dado início a um processo de entendimento do conceito de Coaching e desmistificação de tantos descaminhos, com importantes iniciativas de regulamentação da atividade e a criação de associações nos EUA e na Europa, além da divulgação das boas práticas dos Coaches e a utilização de processos de formação da Liderança/Coach dentro das empresas.

No chamado Coaching de Vida, o Coachee recebe acompanhamento efetivo de como visualizar as principais áreas de sua vida quotidiana e como buscar o equilíbrio nas várias dimensões e papéis que desempenha, seja no âmbito pessoal como profissional.

Durante o processo de Coaching o Coachee ganha o apoio na busca de novas Visões e Atitudes para tornar a vida mais prática e porque não dizer mais leve. O público de maior senioridade, que está saindo das organizações, também merece atenção e respeito, pois, para ele, há uma segunda ou terceira carreira a ser pensada e construída. O executivo de 60 anos ou mais não quer só trabalhar; quer se reinventar e por vezes redefinir a sua missão e história de vida. É crescente a busca por programas de Coaching para preparar profissionais para um momento de aposentadoria ou transição de carreira, e também para profissionais que estão mudando sua relação com a organização.

Fica aqui portanto, minha forte recomendação, aos leitores e eventuais contratantes de Coaching, para que estejam alertas, às ofertas que recebem dos profissionais deste mercado. Procurem antes informações e esclarecimentos de como o prestador deste serviço tem se comportado, que resultados tem atingido, e mais que tudo não se iludam com promessas de resultados milagrosos, quando palavras como sucesso, alta performance, resultado imediato e afins são usados nas peças de marketing, que invadem nossos e-mails, diariamente.

Espero ter contribuído para o esclarecimento de pontos importantes sobre as modalidades de Coaching.

O verdadeiro processo de Coaching, provocativo, desafiador, metafórico, pautado em perguntas abertas, que trazem reflexão e inspiração ao Coachee.

João Luiz Pasqual

João Luiz Pasqual tem mais de 40 anos de experiência profissional. Coach Executivo e de grupos. Foi por mais de 30 anos, executivo do mercado financeiro tendo ocupado posições de Diretor Executivo em diversos bancos (Sudameris, Banco Real, Unibanco, ABN AMRO e Santander), viveu na Europa por 8 anos e viajou para mais de 30 países. É conselheiro de empresas pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa e foi Presidente da ICF no Brasil durante o exercício 2015/2018. É Professional Certified Coach (PCC), Mentor Coach e Accredited Coach Supervisor pela International Coach Federation (ICF). MBA pela FIA-USP e Mestrado em Consulting and Coaching for Change pelo INSEAD-Fontainebleau na França.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa