Anúncios

Mindfulness – 5 desafios para o praticante de meditação

Ao realizar as práticas de meditação mindfulness, práticas que na maioria das vezes têm foco atencional, o praticante vai se deparar, ora mais, ora menos, com algum ou alguns desses desafios.

2787
2787

Ao realizar as práticas de meditação mindfulness, práticas que na maioria das vezes têm foco atencional, o praticante vai se deparar, ora mais, ora menos, com algum ou alguns desses desafios:

Sonolência

Desafio que tende a surgir principalmente na prática de escaneamento corporal, que pode ser feita deitada. Ao deitar-se, o cérebro recebe a mensagem de que é hora de descansar, e tende a “desligar” o corpo, preparando-o para o sono, porém, independentemente de estar em uma prática na posição deitada ou sentada, o praticante pode se deparar com esse desafio.

Para amenizar a sonolência, é recomendado que não deixe para praticar em momentos de intenso cansaço, ou na hora de dormir. Além disso, ao perceber a sonolência chegando, o praticante pode abrir os olhos, ou até mesmo praticar o tempo todo com os olhos abertos.

De qualquer forma, seja qual for o desafio, será sempre uma oportunidade para a auto-observação.

Inquietude

Um desafio que anda de mãos dadas com a resistência. Se trata de uma manifestação que deixa o corpo, a mente ou ambos agitados, pode surgir nas mais variadas formas como: coceira, dores no corpo, enxurrada de pensamentos, pressa para acabar, desconforto.

Para lidar com a inquietude, o melhor a fazer é se observar. Como é você neste momento? O que é possível perceber de si mesmo quando a inquietude chega?

Expectativa ou desejo

Buscar um resultado, desejar uma determinada experiência, ansiar por repetir uma experiência passada, querer que aconteça algo vivido por outra pessoa. Esses são alguns exemplos das variadas formas que a expectativa pode surgir. O principal risco de desejar, é a frustração.

Perceber os mecanismos da mente que levam o praticante a desejar, é fundamental. Tomar consciência é o primeiro passo.

Dúvida

Neste caso, é comum surgirem pensamentos como: “acho que isso não é pra mim” “deveria estar fazendo outra coisa” “não nasci pra isso” “sou agitado demais pra meditar” “pareço estar perdendo tempo” “acho que preciso parar por um tempo” “acho que não estou fazendo certo”. E por aí vai.

A dúvida normalmente leva o praticante a questionar sua “habilidade” para meditar, e nada mais é do que mais uma das manifestações mentais que quer nos levar ao “modo fazer”. Quando paramos para apenas ser, apenas estar presente, a mente costuma dar o seu jeitinho de nos tirar de lá.

Aversão

Tem “sintomas” muito parecidos com os da inquietude, porém, de maior intensidade. A aversão também traz desconfortos físicos e mentais, e normalmente são tão intensos, que pode levar o praticante a desistir de meditar.

Seja qual for o desafio que o praticante se deparar ao longo de sua jornada meditativa, a auto-observação não julgadora, e a conexão com os valores que o levou a trilhar esse caminho, são maneiras eficientes de romper as manifestações mentais que trazem esses e outros desafios no caminho do meditador, seja ele iniciante ou com longos anos de prática meditativa.

Sílvia Cavalaro tem 7 anos de experiência como profissional de Comunicação e Marketing, e 9 anos de experiência na área de Desenvolvimento Humano. Coach especializada em Direcionamento e Desenvolvimento de Carreira, Consultora em parceria com Sher Consultoria e Treinamento, Analista Comportamental pela Universidade Quantum Assessment, Instrutora de Mindfulness pela UNIFESP atuando em parceria com Centro Paulista de Mindfulness. Formação acadêmica em Comunicação Social pela Universidade Paulista e especialização em Marketing de Serviços pela Fundação Armando Álvares Penteado. Criadora do Programa Carreira e Vida com foco em direcionamento de carreira. O programa é fundamentado em três pilares principais: Qualidade de Vida, Carreira com sentido/propósito e Clareza para escolhas conscientes e sustentáveis.
follow me
Anúncios
Neste artigo


Participe da Conversa