fbpx

O Facebook morreu, salve a META!

Você sabe o que é METAVERSO e por que o Facebook vai investir milhões de dólares nessa novidade? Você, profissional de coaching, está se preparando para trabalhar com isso?

METAVERSO: O Facebook morreu, salve a META!

METAVERSO: O Facebook morreu, salve a META!

Meus amigos, eu havia prometido que trataria com mais detalhes do tema “METAVERSO”, mas decidi adiar e, na última postagem, trouxe outro assunto extremamente importante à nossa reflexão. Afinal, estamos em meio a momento complicado na História humana, em que uma agressiva pandemia e as baixas perspectivas econômicas ameaçam as pessoas, gerando demissões, falta de oportunidades profissionais, reforma nas relações capital e trabalho, e dívidas que as famílias não conseguem saldar.

Na postagem de hoje vou, enfim, cumprir aquela minha promessa. Para quem nunca ouviu a expressão METAVERSO (ou mesmo para quem tem dúvidas a respeito), adaptarei a seguir o conceito que a empresa de comunicação BBC repercutiu pelo mundo, recentemente:

A palavra “meta” vem do grego e significa algo como “além”. Uma pista inicial do que é o METAVERSO é a realidade virtual, mas especialistas da área dizem que ele é na verdade muito mais do que isso, valendo apostas de ser, de fato, o próprio futuro da internet.

 

É como se realidade virtual fosse para o METAVERSO o que os celulares tijolões dos anos 1980 representam hoje perto dos smartphones. Em vez de precisar estar em frente a um computador ou celular para se conectar, as pessoas em metaverso podem usar uma espécie de fone de ouvido para mergulharem em todo tipo de ambiente virtual — desde shows, confraternizações com amigos e parentes e reuniões de trabalho.

 

Nesse mundo digital, cada usuário pode ter um avatar para chamar de seu, um “bonequinho” único que seria a representação de si mesmo. Essas possibilidades foram abertas graças a avanços tecnológicos como a conexão 5G, que permite uma conectividade melhor, mais consistente e móvel.

Apenas neste ano, o Grupo Facebook anunciou investimentos de US$ 50 milhões na área responsável por desenvolver seu METAVERSO.

Isso inclui a contratação de dez mil profissionais para trabalharem sob o comando de um dos pioneiros do Facebook, Andrew Bosworth. Atualmente, ele é vice-presidente do Reality Labs (Laboratório de Realidade, em tradução direta) e desenvolve soluções de RA (Realidade Aumentada) e RV (Realidade Virtual). A partir de 2022, ele assumirá a chefia da Área de Tecnologia.

É importante o leitor lembrar que o chamado Mundo VUCA significa a união de conceitos como volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Ao que foi acrescido da letra H (VUCAH) por conta da crescente hiperconectividade. Portanto, o METAVERSO será a evolução conjunta desses conceitos para um patamar novo, com muito mais interação das pessoas e das coisas. Por exemplo, projeta-se que o comprador de um carro poderá fazer o test-drive à distância, com um simulador virtual.

Como não poderia ser diferente, vários gigantes da tecnologia estão entrando nessa corrida do METAVERSO e, por ora, parece que o Grupo Facebook está à frente dos demais. Como parte dessa corrida, o Grupo Facebook assumiu a troca e mudou sua marca corporativa, como foi anunciado ao final de outubro de 2021, pelo próprio Mark Zuckemberg (assista ao vídeo abaixo).

A mudança de logo não se aplica às plataformas individuais como, por exemplo, o Facebook, Instagram e Whatsapp, apenas ao grupo que as controla. O interesse está em ampliar o alcance e a representação da realidade virtual e do METAVERSO. Projetar um mundo online onde as pessoas poderão ter entretenimento e desenvolver trabalho. E, ainda mais, realizar a comunicação com uso de aparelhos de realidade virtual.

De acordo com a revista americana Forbes, em sua edição de 29/10/2021:

“o mercado global de realidade virtual e realidade aumentada deve ultrapassar US$ 100 bilhões em 2022”.

Há quatro tipos de tecnologias que deverão crescer rapidamente, a partir desse novo ambiente criado pelo METAVERSO (a seguir, resumo do conteúdo da publicação – clique aqui para ler por completo), a saber:

1. Personal ID

Avatar e METAVERSO são conceitos complementares, mas a identificação pessoal é um elemento central. Com mais interações nas redes sociais, as pessoas começam a ter vários tipos de avatar. Então, em algum momento, será necessário unificar essa identidade;

2. Geolocalização

Mais importante do que olhar somente para as tecnologias chamadas “disruptivas” como Realidade Aumentada e Realidade Virtual, a capacidade maior de Geolocalização poderá ser uma mudança marcante gerada pelo METAVERSO;

3. Blockchain e NFTs

Com a demanda por transações dentro do universo virtual, blockchain (o sistema que permite rastrear o envio e recebimento de informação pela Internet, especialmente quando se trata de ativos e moedas) e NFTs (certificados digitais de segurança) também devem seguir em alta;

4. Customização em escala

A possibilidade de criar e recriar ambientes é fundamental para que o METAVERSO seja um ambiente dinâmico. Ou seja, a criação de avatares oferecerá às pessoas uma chance ainda maior – e mais acessível – de assumir novos papéis ou personagens.

Como nada no mundo dos negócios acontece de forma livre, simples e com amplo consenso, a marca META começa a receber questionamentos de outras empresas que a utilizam em seus campos de atuação. Não sabemos o que vai acontecer em relação a essas disputas, mas o mundo do METAVERSO não tem volta, o Facebook não é mais a marca do famoso grupo e, agora como Meta, todos nós veremos algo de novo acontecer.

O que até bem pouco tempo, só existia em filmes de ficção científica. E você, profissional de coaching, está se preparando para trabalhar com essa novidade? Tem se atualizado, de fato, com relação às tecnologias?

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre o Metaverso, a mudança do Facebook e demais tecnologias? Então entre em contato comigo. Terei o maior prazer em responder.

Um forte abraço!

Mario Divo
https://www.mariodivo.com.br

Confira também: O “Efeito Lúcifer” nas nossas relações diárias!

 

Mario Divo Author
Mario Divo possui meio século de atividade profissional ininterrupta, hoje estando dedicado à gestão de negócios e de pessoas. É PhD pela Fundação Getulio Vargas (FGV) com foco em Gestão de Marcas Globais e MSc, também pela FGV, com foco em Dimensões do Sucesso em Coaching (contexto brasileiro). Formação como Master Coach, Mentor e Adviser pelo Instituto Holos. Formação em Coach Executivo e de Negócios pela SBCoaching. Consultor credenciado no diagnóstico meet® (Modular Entreprise Evaluation Tool). Credenciado pela Spectrum Assessments para avaliações de perfil em inteligência emocional e axiologia de competências. CEO da plataforma MENTALFUT® e da MDM Assessoria em Negócios, desde 2001. Mentor e colaborador da plataforma Cloud Coaching. Ex-Clube Correspondente da FIA – Federação Internacional do Automóvel, no Brasil. Foi titular do Planejamento de Comunicação Social da Presidência da República (1997-1998) e, anteriormente, comandou a Comunicação Institucional da Petrobras e a Área de Novos Negócios da Petrobras Internacional. Ex-Presidente da Associação Brasileira de Marketing & Negócios, ex-Diretor da Associação Brasileira de Anunciantes e ex-Conselheiro da Câmara Brasileira do Livro. Primeiro brasileiro no Global Hall of Fame da Aiesec International, entidade presente em 2400 instituições de ensino superior, voltada ao desenvolvimento de jovens lideranças em todo o mundo.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa