fbpx

Investir em ações é mesmo arriscado?

Muitas pessoas têm curiosidade e vontade de investir em ações, mas não vão adiante pelo medo de perder a quantia aplicada. Há um mito em torno dessa questão, afinal, há sim riscos, contudo, com o embasamento adequado, é possível investir de forma segura.

Percebo que muitas pessoas têm curiosidade e vontade de investir em ações, mas não vão adiante pelo medo de perder a quantia aplicada. Acredito que há um mito em torno da questão, afinal, há sim riscos, contudo, com o embasamento adequado, é possível investir de forma segura.

Antes de nos aprofundar no tema, vamos entender um pouco melhor esse tipo de aplicação. Comprar uma ação significa adquirir parte de uma empresa, se tornando assim um de seus sócios. Existem as ações preferenciais (PN), com as quais o investidor tem preferência para receber parte do lucro, e também as ordinárias (ON), que dão direito de voto ao acionista, mas tem menor peso na distribuição dos lucros.

Assim, a rentabilidade das ações está atrelada à performance da empresa. Portanto é válido considerar obter um bom retorno no médio e longo prazo, a partir de 5 anos – ou seja, conte com o recurso para adiantar a realização de um sonho de médio ou longo prazo. Claro, é possível ter lucro imediato, mas é preciso encarar o risco.

É possível “quebrar o gelo” com este universo por meio de fundos de investimentos, que são administrados por especialistas e reúnem pessoas físicas ou jurídicas para comprar cotas de ações. Eles são regidos por um regulamento prévio e tem o objetivo de conseguir uma boa rentabilidade justamente por reunir diversos recursos.

Por desconhecimento, vejo que muitos brasileiros preferem a poupança e outros fundos mais conservadores, o que não é necessariamente um problema, afinal é importante conservar e proteger o patimônio. Contudo, para quem deseja diversificar parte dele, o mercado de ações possibilita uma rentabilidade interessante.

Mas é importante frisar: para ter um retorno relevante e sólido, é preciso ter tempo e saber fazer boas aplicações. Procure se informar sobre o tema e não destinar parte significativa de suas economias para isso, conservando sua saúde e estabilidade financeira. Na dúvida, busque o respaldo de um especialista.

Reinaldo Domingos é PhD em Educação Financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira. Está a frente do canal Dinheiro à Vista, é colunista do de diversos meios de comunicação. Autor de diversos livros sobre o tema, como o best-seller Terapia Financeira e o livro Empreender Vitorioso.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa