fbpx

Inteligência Emocional: chegou a hora de encarar e se desenvolver

Se já era importante aprendermos a gerir nossas emoções, num momento de crise não adianta mais fugir. Então como desenvolver a Inteligência Emocional?

⏲ Tempo estimado de leitura: 3 minutos
como desenvolver a Inteligência Emocional

Inteligência Emocional: chegou a hora de encarar e se desenvolver

Se já era importante no dia a dia, aprendermos a gerir nossas emoções, num momento de mudanças e crise não adianta mais fugir. A Inteligência Emocional bateu na sua porta e você precisa desenvolver esta habilidade quer você queira ou quer você surte.

Levar inteligência nas emoções não é apenas para a pessoa estourada se equilibrar. É para você aprender também se colocar, quando muitas vezes se cala e fica passivo e o contexto te pede um posicionamento.

É cognitivamente impossível ter controle de tudo na era em que vivemos. Somos bombardeados de informações e sofremos a infoxicação.

Se você ainda acha mais um mimimi e que não precisa se desenvolver, existem várias pesquisas que mostram que as empresas geram mais resultados, lucratividade, satisfação dos clientes e funcionários quando desenvolvemos esta habilidade e a cultura organizacional é voltada para a empatia e colaboração.

Mas por onde começar?

A inteligência emocional envolve dois fatores internos e dois externos. Nos fatores internos, temos o autoconhecimento e a gestão das emoções. Já nos externos, a empatia e a sociabilidade.

O primeiro passo é você fazer um diagnóstico de onde está. Como você se avalia nestes pontos? Tem dúvidas? Pergunte para colegas de trabalho, gestores, familiares e amigos. Se você quer mudar algo, aumente sua consciência sobre o que quer desenvolver.

Toda mudança gera resistência, pois precisamos sair da zona de conforto. Mas observe o aprendizado nesta jornada. Você não precisa crescer pela zona de pânico, então seja protagonista e antifrágil.

A antifragilidade é você crescer e se desenvolver diante de uma situação desafiadora e que exige total superação da sua parte.

Está tudo bem não estar bem. Então chega de querer ser o super-herói ou a super-heroína sabe tudo, que não pode pedir ajuda. Na minha jornada, quanto mais fui para este caminho, mais quebrei a cara. Errar para acertar faz parte. O que não vale é ficar só reclamando e não fazer nada para mudar.

O stress, a ansiedade ocorrem por você querer controlar tudo, mudar de uma vez. Se pergunte: o que posso efetivamente controlar? O que posso influenciar e que depende de outras pessoas? O que posso aceitar? E o que posso mudar?

Ser vulnerável é essencial para o crescimento, mas cuidado para não entrar numa zona de resistência e sabotar o seu crescimento.

Escolha suas batalhas, se reinvente. Você será desafiado sempre: na vida, nas relações, no trabalho.

Aprenda a ativar sua atitude para o presente. Foco no passado e futuro são bons para avaliar cenários, mas foco no presente te faz agir.

Não espere a crise passar, a motivação aparecer. Seja sua própria meta e faça acontecer.

Aline Gomes
http://www.mdifferent.com.br/

Confira também: O Papel do RH como agente de mudança organizacional

 

Aline Gomes Author
Aline Gomes é uma inquieta que adora potencializar a performance dos profissionais. Psicóloga, Pós Graduada em Administração de Empresas com 5 certificações em Coaching, atuou por mais de 10 anos como Executiva de RH com projetos estratégicos no Brasil e América Latina. Atualmente é empreendedora na Make Different, Head dos cursos in company da Escola Conquer e professora do Leadership Experience. É criadora do Sacadas de Carreira, blog que gera conteúdos para acelerar a carreira dos profissionais.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa