fbpx

GANHAR e PERDER: A Difícil Matemática da Vida!

Na vida, a cada vez que trabalhamos para ganhar alguma coisa, podemos perder outras. Sempre perdemos por um lado para ganhar do outro, é o preço que pagamos!

GANHAR e PERDER: A Difícil Matemática da Vida!

GANHAR e PERDER: A Difícil Matemática da Vida!

Um dos sentimentos que mais nos impede de tomar decisões sobre os rumos de nossas vidas é o medo irracional que temos das perdas – nos apegamos até ao que nos causa desconforto ou dor. A cada vez que precisamos deixar algo para trás, mudar alguma coisa, quebrar vínculos, tomar alguma decisão, inconscientemente vemos mais perdas que ganhos – e não raras vezes acabamos por desistir da mudança mesmo que saibamos que será melhor. É o momento em que nos boicotamos.

A verdade é que fazemos qualquer coisa para evitar a dor e alcançar o prazer. Só que a dor que queremos evitar, não é real!  Nem o prazer ansiado. Não enquanto ainda não aconteceu: é só uma percepção – “Eu não vou fazer isso porque vai me fazer sofrer” ou “Se fizer isso vou ser feliz”. Você acha, mas não tem nenhuma prova ou certeza: percepção da realidade é diferente de realidade.

Quando a gente tem consciência disso e arrisca fazer, mesmo “achando” que pode causar dor, podemos encontrar um grande prazer do outro lado.

Ocorre que na vida não existe jogo do ganha-ganha ou perde-perde. A cada vez que trabalhamos para ganhar alguma coisa (tangível ou não), podemos perder outras. Sempre perdemos por um lado para ganhar do outro: é o preço que pagamos.

Só para ilustrar, se você mudar de emprego para melhorar profissionalmente, está ganhando. Mas ao deixar o trabalho antigo perde alguns amigos, o conforto do que já é conhecido, o domínio sobre suas tarefas. Ganhou ou perdeu?

Trilhar um novo caminho significa sair da zona de segurança e conforto a que estamos acostumados. E se não aprendermos a lidar bem com as perdas que fatalmente vão ocorrer, acabamos por nos sabotar – ou nem vamos ou, se vamos, não damos certo. A maioria de nós prefere ficar na zona de conforto e reclamar da vida. Aliás, não só da vida – dos outros, da falta de sorte, do dinheiro curto, da falta de amor…

Mas o que fazem as pessoas bem-sucedidas? Aquelas que olhamos e achamos que são ganhadores sempre? Bem, elas pagam o preço porque aprenderam a negociar com a vida. Elas decidem o que querem, analisam as perdas e os ganhos, escolhem o caminho e planejam os riscos. Parece complicado?

Posso garantir que não é. Analisar as perdas e os ganhos, antever claramente as consequências de nossas decisões, aprender a minimizar as perdas e maximizar os ganhos, para manter a motivação que nos leva em direção ao nosso objetivo, é uma das ferramentas usadas no Coaching.

Quer saber como fazer?

Em primeiro lugar, pense no seu objetivo, no que quer alcançar, mudar, fazer, comprar; um sonho que quer realizar, em como isso vai afetar sua vida, sua rotina e suas relações. Divida uma folha de papel em 4 espaços.

  • Em cima, à esquerda, escreva tudo o que você pode GANHAR SE REALIZAR essa meta, por mais irrelevante que possa parecer. Alguns exemplos: dinheiro, ganhos sociais, aprendizados, viagens, oportunidades, contatos, e assim por diante.
  • Em cima, à direita, anote tudo o que você pode PERDER SE REALIZAR essa meta, ainda que possa entender que seja bobagem. São pessoas, objetos, espaços, dinheiro, relações, tempo; coisas que fazem parte de sua vida e deixarão de fazer.

Mas não é só! É necessário também analisar todas as perdas e ganhos se o objetivo NÃO for realizado. Exatamente. Pois ao desistir de alcançar determinado objetivo, também se ganha e perde, já que ficar quietinho no mesmo lugar não garante nada. Hora de mudar o raciocínio e pensar em tudo que vai fazer diferença em sua vida se não realizar o objetivo, se deixar “pra lá!”.

  • No espaço abaixo, à esquerda, escreva tudo o que você pode GANHAR SE NÃO REALIZAR essa meta – aquelas coisas na sua vida que você gosta muito, que lhe dão prazer, coisas que não precisa deixar para trás, ainda que seja só o conforto de não mudar nada.
  • No espaço abaixo, à direita, escreva tudo o que você pode PERDER SE NÃO REALIZAR essa meta – sonhos, aquisições, relações, sentimentos, dores. A perda que faz sofrer.

A ideia ao fazer esse levantamento não é para comparar o que ganhamos com o que perdemos; apenas para entender se estamos sendo motivados pelo prazer ou pela dor: ambos podem nos levar à ação.

Quando você conhece o que ganha e o que perde é mais tranquilo tomar uma decisão.

Primeiro, porque vai escolher conscientemente o que está disposto a perder para ganhar: muitas vezes você nem precisa abrir mão, mas negociar com a vida. Depois, porque saberá exatamente como manter a automotivação e trabalhar com os sabotadores que emperram suas conquistas – eles são seus e você pode superá-los.

Negociar parece uma palavra mal colocada aqui – mas não é. Trata-se apenas de procurar maneiras de manter os ganhos, seja qual for a decisão que tomar, e minimizar as perdas. É como se você dissesse para si mesmo: “Ok, vou fazer isso, mas para não abrir mão do que gosto, vou mudar a maneira de fazer”.

Fica mais simples entender com a entrevista de uma famosa apresentadora de tv que alcançou o sucesso e uma aparente realização. Ela disse que tudo tem seu preço – tem tudo que quer, mas não pode, por exemplo, sair à noite para se divertir, pois tem que acordar muito cedo para gravar e fica com olheiras. E também não pode comer à vontade para não engordar. Mas sua conclusão é que vale a pena.

É exatamente sobre isso que estamos falando! Do que você está disposto a abrir mão para conseguir o que quer? Sabe negociar para diminuir as perdas quando quer realmente alcançar determinado objetivo?

Na mesma entrevista, a apresentadora conta como superou as perdas: fazia com que os finais de semana fossem sempre extremamente agradáveis junto com os amigos para compensar a falta de diversão durante a semana; e que tinha aprendido a cozinhar pratos maravilhosos – e magros! – para manter-se na linha.

De modo que não é preciso arranjar desculpas para não caminhar adiante, com medo de deixar algo para trás. Quem realmente sabe o que é importante para a sua felicidade e realização, não se frustra com o que não tem ou não pode fazer. Também não será seu próprio sabotador na conquista de seus objetivos. Pelo contrário, aprenderá a manter-se motivado.

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre a difícil matemática entre Ganhar e Perder? Então entre em contato comigo. Terei o maior prazer em responder.

Isabel Franchon
https://www.q3agencia.com.br

Confira também: Boas Práticas para a Comunicação Interpessoal no Trabalho

 

Isabel Franchon, Coach desde 2008, atua com o Desenvolvimento Profissional e Pessoal voltados para a Carreira, Competências, Liderança, Comunicação Interpessoal, Compliance & Ética e Coaching de Times. Facilita Workshops, Treinamentos e Oficinas em empresas de médio/grande porte através de empresa própria e em parceria com Consultorias de DH. Graduada em Jornalismo, tem MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores, pela FGV; Pós-graduação em Transdisciplinaridade em Saúde, Educação e Liderança, pela Universidade Holística Internacional; Especialização em Marketing pela MM School; Formação em Compliance Anticorrupção, pela LEC; Especialização em Metodologia QEMP para empreendedores, pela Clinton Education. Fez formação em Master, Executive, Leader & Business Coach, pelo Behavioral Institute. Certificada em Positive Coaching Com Robert Dilts e Richard Moss. É membro do International Coaching Council (ICC) desde 2008.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa