fbpx

Esta pesquisa merece a sua atenção!

Pesquisa sobre satisfação e bem-estar após Processo de Coaching traz resultados incríveis. Este é o assunto que Mario Divo aborda na coluna “Dimensões do Sucesso” de hoje.

Eu fiz uma pesquisa com todos os requisitos necessários de rigor e formatação científica para tentar entender alguns aspectos da prática do Coaching no contexto brasileiro. Certas evidências foram muito interessantes e, nos nossos próximos encontros por esta coluna, eu apresentarei os principais resultados.

O Coaching é planejado e executado tendo como foco levar o cliente a alcançar os resultados desejados. Pelo referencial internacional (Global Coaching Community, 2008) as principais tarefas e competências necessárias para conduzir uma intervenção de Coaching são: explicar sobre a contratação e a forma de avaliação; construir e manter relacionamentos; explicar o planejamento do desenvolvimento; facilitar a mudança e o desenvolvimento; concluir o Coaching formal e fazer a transição para o longo prazo.

A comunidade internacional de Coaching definiu também os principais atributos ou habilidades que promovem o desempenho superior no processo. Aquele conjunto de atributos foi adaptado como categorias que, no interesse do meu estudo, foram usadas para compor as respostas dos Coachees sobre a experiência vivida no processo de Coaching, bem como a forma de conceituarem o que é “sucesso”. As categorias adotadas foram: Auto-ganho; Engajamento; Foco-Pessoal; Satisfação; Ação/Atitude; Foco-Carreira; Mudança/Transformação; Desenvolvimento; Orientado-metas; Sensibilidade; Ética/Integridade; Energia/Assertividade; Parcerias/Influências; Flexibilidade e Postura Crítica.

Ainda que a amostra da pesquisa não tenha sido muito grande, os testes estatísticos permitiram que se chegasse a certas evidências. Foram 224 respostas (texto com comentários sobre a experiência pessoal em Coaching), as quais passaram por uma análise léxica e de conteúdo. Uma conclusão interessante foi que não se encontrou evidências de haver diferenças de percepção por gênero (homem ou mulher). Outro ponto foi o de que também não há evidências de que descrição da experiência em Coaching, por pessoas que já vivenciaram o processo e por aquelas que o estão vivenciando no momento, possa incluir determinantes diferenças no resultado (seja ou não a atual experiência a primeira vez que o Coachee vivencia o Coaching).

Em outras palavras, tanto pelos resultados obtidos com a análise léxica quanto pela análise de conteúdo, não há evidências de que o tipo de relacionamento atual ou passado com o processo de Coaching gere influência em como o Coachee descreve a sua experiência. E os resultados reforçaram a expectativa inicial de que a descrição mostrou-se bastante correlacionada a ganhos cognitivos pessoais, ainda que, paradoxalmente, a maior parte das intervenções tenha nascido por demanda profissional.

Mencionada de outra forma, a abordagem dos respondentes sobre a vivência em Coaching ressalta, como um dos principais atributos do processo, os resultados positivos alcançados na dimensão pessoal, mesmo quando a origem do processo se deu por necessidades profissionais (de vários tipos e em vários níveis de qualificação). Poucos foram os Coachees que se reportaram a citar as metas e os objetivos tangíveis no trabalho; as evidências se deram em uma demonstração de satisfação pelos ganhos pessoais e cognitivos, aliados a mudanças e atitudes.

Concluindo, o Coaching trouxe satisfação e bem-estar para as pessoas, mesmo quando tudo começou por obrigação profissional e, curiosamente, até mesmo quando o objetivo inicial não foi alcançado na sua plenitude. O que você acha disso? É essa a sua experiência no Coaching?

Mario Divo Author
Mario Divo possui meio século de atividade profissional ininterrupta, hoje estando dedicado à gestão de negócios e de pessoas. É PhD pela Fundação Getulio Vargas (FGV) com foco em Gestão de Marcas Globais e MSc, também pela FGV, com foco em Dimensões do Sucesso em Coaching (contexto brasileiro). Formação como Master Coach, Mentor e Adviser pelo Instituto Holos. Formação em Coach Executivo e de Negócios pela SBCoaching. Consultor credenciado no diagnóstico meet® (Modular Entreprise Evaluation Tool). Credenciado pela Spectrum Assessments para avaliações de perfil em inteligência emocional e axiologia de competências. CEO da plataforma MENTALFUT® e da MDM Assessoria em Negócios, desde 2001. Mentor e colaborador da plataforma Cloud Coaching. Ex-Clube Correspondente da FIA – Federação Internacional do Automóvel, no Brasil. Foi titular do Planejamento de Comunicação Social da Presidência da República (1997-1998) e, anteriormente, comandou a Comunicação Institucional da Petrobras e a Área de Novos Negócios da Petrobras Internacional. Ex-Presidente da Associação Brasileira de Marketing & Negócios, ex-Diretor da Associação Brasileira de Anunciantes e ex-Conselheiro da Câmara Brasileira do Livro. Primeiro brasileiro no Global Hall of Fame da Aiesec International, entidade presente em 2400 instituições de ensino superior, voltada ao desenvolvimento de jovens lideranças em todo o mundo.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa