Em que mundo você vive?

O mundo moderno, pela sua dinâmica e excesso de informações, vem nos acostumando a viver no modo “piloto automático”. Não vivemos no momento presente de forma consciente naquilo que estamos fazendo.

O mundo moderno, pela sua dinâmica e excesso de informações, vem nos acostumando a viver no modo “piloto automático”, isto é, não vivemos no momento presente de forma consciente naquilo que estamos fazendo, mas sim em um modo no qual quase tudo é feito pelo hábito e de forma automática.

Não, não quero falar aqui da música “Cotidiano” do Chico Buarque (“Todo dia ela faz tudo sempre igual”), mas sim do nosso costume em não vivermos o aqui e agora.

Um estudo interessante realizado no MIT por J. Kabat-Zinn mostrou que uma pessoa vive focada naquilo que faz, sem divagações ou desvios de foco, apenas 15% do seu tempo em que passa acordada, ou seja, para uma expectativa de vida de 80 anos, ela passará menos de 9 anos de sua fase adulta vivendo o momento presente!*

É isso mesmo, em toda fase adulta passamos apenas 9 anos conscientes do que estamos fazendo, isto é, apenas 9 anos em que realmente “saboreamos” a vida. O restante do tempo, nosso pensamento encontra-se em algum lugar, divagando e distante daquilo em que deveria estar focado, o que certamente limita a nossa atuação, desempenho e excelência profissional, além de causar estresse, cansaço mental e dificuldade na realização das diversas atividades.

Atualmente quem quiser se sobressair nesta imensa massa de indivíduos atuantes profissionalmente deverá necessariamente fazer uma reprogramação na forma de conduzir seus pensamentos, “treinando” a mente para estar conectada com o mundo presente e experimentando o que a vida lhe oferece naquele momento. Esta “academia mental” pode ser frequentada por pessoas de qualquer idade.

As pessoas que agem rápido para chegar ao destino sem prestar a atenção ao que ocorre no caminho, pessoas que não têm muita consciência no que estão fazendo, que atuam mecanicamente, que se preocupam em demasia com o passado e com o futuro, são aquelas que mais necessitam de mudança dos hábitos.

Como nosso assunto é o Comportamento do Profissional e Coaching, quero compartilhar uma prática que venho usando com sucesso. Nos processos de Coaching eu separo 8 encontros apenas para discutir e praticar 16 tipos de exercícios, sendo dois a cada encontro. Um sempre visando treinar a mente a focar no que é importante naquele momento e outro para liberar hábitos arraigados.

A nossa forma de pensar e de conduzir o nosso raciocínio pode ser treinada para uma melhor eficiência e objetividade, com o consequente aumento da produtividade, do foco na atividade exercida naquele momento, no desenvolvimento do raciocínio e memória.

O exercício de liberar hábitos arraigados tem como finalidade nos livrar de certas práticas que incorporamos e que limitam o nosso desenvolvimento. Com estas atividades podemos desenvolver a criatividade e a inovação, e criarmos condições de nos mantermos alertas e vigilantes.

Estas práticas não são difíceis de serem aprendidas e o melhor, com pessoas de todas as idades.

O mundo moderno exige profissionais focados e que vivam “neste mundo” e não que estejam sempre navegando por lugares incertos e não sabidos, comprometendo seus sonhos e dificultando a conclusão de seus projetos.

Nestes tempos de muita competitividade e em que a disponibilidade no mercado de bons profissionais é crescente, a importância de nos diferenciarmos dos demais é de grande valia para a nossa empregabilidade.

(*) Kabat-Zinn ; Full Catastrophe Living: Using the Wisdom of your Body and Mind to Face Stress, pain and Illness (Piatkus, 1990),  (ISBN: 9780345536938)

Cleyson Dellcorso tem formação em engenharia e filosofia e suas atividades estão relacionadas ao Coaching Profissional e Pessoal, além de atuar com Coaching de Casais. Seus atendimentos têm embasamento em uma metodologia própria com fundamentação filosófico / dialógico. Possui MBA pela UCLA (EUA), com foco em gestão de pessoas, é especialista em liderança pelo Haggai Advanced Leadership Institute (Singapura) e instrutor do mesmo instituto. É professor de liderança e motivação no curso de pós-graduação em gestão de projetos (PMI) do Instituto Brasileiro de Tecnologia Avançada do grupo IBMEC. Atua como Coach desde 2003 e foi um dos primeiros a se especializar no atendimento a Gerentes de Projetos. É diretor do INSTITUTO DE COACHING MAIÊUTICA desde 1999 e tem como área de interesse o estudo das Inteligências – Emocional e Espiritual. Cleyson Dellcorso é casado, tem três filhos e um neto e tem como hobbies – radioamadorismo, velejar e mergulhar.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa