fbpx

Dói o Corpo ou a Alma?

Que padrões e pensamentos estão doendo em você? Onde eles te afetam? Te impede de ver? Ganha algo com eles? Você não quer mais conviver com essa dor, certo?

Dói o Corpo ou a Alma?

Dói o Corpo ou a Alma?

Quando fiz um post falando sobre minha dor na coluna e que tinha tomado a decisão de buscar uma resolução mais definitiva, porque já havia me acostumado com a dor e me privado de muitas coisas há 20 anos, recebi muitas mensagens carinhosas.

Nesse post eu me referi mais à dor emocional do que a física.

Nessa época onde travei a lombar, foi um período onde percebi que minha cabeça estava indo para uma direção e meu coração para outra.

Estar com a coluna travada me remeteu a estar travada na minha vida. Não estava fazendo o que me deixava feliz, tinha começado a exigir de mim na minha carreira uma postura “aceita” corporativamente. Fiz carreira em RH e somos cobrados em assumir determinados papeis nas organizações e as cobranças são externas e internas.

Estava num casamento infeliz e me cobrando de tentar dar certo. Tinha deixado de cantar, um hobbie que expandia minha alma, tinha deixado de dançar, uma atividade que expandia meu corpo. E meu corpo não aguentou. Ele “gritou”.

De lá pra cá fui pegando leve com as atividades físicas, com medo de travar, fui pegando leve com as experimentações na vida, os medos foram aumentando e medo também trava. Aliás, mais do que qualquer hérnia de disco.

Então, passei a cuidar mais de mim e tentar entender onde estava doendo. Sim, tem a dor física, mas qual dor emocional existia por traz disso tudo?

Hoje fico muito feliz em ver mais médicos seguindo uma linha mais integrativa porque não somos só as partes do nosso corpo. Pode ser que uma dor no pé não tenha sua causa no pé.

Fui me entendendo e entendendo minhas crenças sobre a vida. As crenças que me limitavam e as que me impulsionavam. E então hoje depois de 20 anos daquela super dor na coluna, me dei conta de que ainda estava convivendo com dor. E que tinha me acostumado com ela.

Hoje também existem novos métodos menos invasivos que nos ajudam muito mais do que antes e eu não precisava ficar “acostumada” com a dor.

Nova investigação emocional. Sim, porque a beleza do autoconhecimento é que podemos escolher por esse caminho sempre. E comecei a me perguntar com quais dores emocionais eu também estava me acostumando?

Que padrões e pensamentos ainda estão doendo em mim? Onde eles me afetam? O que estão me impedindo de ver? O que ganho com eles? E de repente veio uma vontade profunda de não mais conviver com essa dor.

Comecei a tomar as decisões que me ajudariam a sair dessa condição.

Estou no caminho, ainda não resolvi, mas a decisão de resolver só eu poderia ter. A decisão de tomar minha vida e meu corpo nas mãos e abençoá-los, honrá-los, só podia ser realizado por mim.

Merecemos ser felizes, conhecer nossos medos para lidar com eles.

Merecemos acordar a cada manhã como uma nova oportunidade de viver intensamente a vida que temos da melhor maneira. Não nascemos para sofrer, nascemos para SER.

Merecemos encontrar o melhor de nós, em nosso corpo e em nossa alma.

Claro, que alguns problemas podem aparecer, mas a forma como escolhemos lidar com eles é que pode nos levar a adoecer ou a se curar.

Então, sigo buscando a cura do meu Ego, porque minha Alma é livre. Destravada.

A Alma quer se expressar e toda vez que não a deixamos, o corpo pode nos avisar de que algo não vai bem. Temos a beleza de escolher o equilíbrio e a harmonia entre nosso corpo, nossa mente e nossa alma.

E então, dói o Corpo ou a Alma?

Se observe. Observe seus pensamentos, observe seu corpo. Onde você sente dor? Talvez seja lá que encontrará a cura para algumas dores da sua alma.

Claudia Vaciloto
http://www.nasala.net/

Confira também: O que o amor te diria para fazer?

 

Claudia Vaciloto é Iniciadora e Sócia da Organização em Rede NaSala, Psicóloga, Mentora Organizacional para Áreas e Executivos de RH, Facilitadora Certificada e Treinadora Oficial no Brasil do Jogo Miracle Choice, baseado no livro Um Curso em Milagres, Facilitadora de Pintura Espontânea baseada na Teoria Point Zero (Esalen Institute Big Sur California) e Imagens Fotográficas para atendimentos terapêuticos (Sedes Sapientes). Fez carreira em RH passando por empresas como Accenture, EDS, VR, Ability Trade Marketing, onde atuou como Diretora de RH pelos últimos 10 anos. Faz treinamentos e vivências comportamentais para empresas e grupos e atendimentos individuais. Formada em Executive and Life Coaching pelo ICI – Integrated Coaching Institute, assina a Coluna Reflexões e Provocações para Revista Cloud Coaching. Co-idealizadora da Plataforma GameYou, que oferece experiências de desenvolvimento através de jogos.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa