Dicas para melhor usar a análise SWOT!

Provavelmente todo Coach já fez uso da análise SWOT em algum momento. Essa forma de análise mostrou-se um processo simples e eficaz para se identificar e gerenciar os fatores ambientais que afetam o sucesso.

É arriscado afirmar, mas provavelmente todo Coach já fez uso da análise SWOT em algum momento. Indo além, qualquer consultor ou estrategista usa esse tipo de ferramenta para interpretar e/ou projetar cenários, seja para uma empresa (de qualquer porte) ou para um cliente individual. Desde a sua introdução na Universidade de Stanford, em 1960, essa forma de análise mostrou-se um processo simples e eficaz para se identificar e gerenciar os fatores ambientais que afetam o sucesso da organização, ou mesmo o de uma pessoa.

Um olhar crítico “para dentro” vai ajudar a identificar os pontos fortes e as fraquezas. Pontos fortes como recursos e capacidades que podem criar vantagem competitiva. Para um indivíduo, os pontos fortes podem estar na forma de habilidades de comunicação excelentes, conhecimento técnico ou aptidão em especial. As fraquezas geralmente resultam da falta de recursos ou de capacidades, trazendo vulnerabilidades que podem ser aproveitadas pelos concorrentes. Um olhar crítico “para fora” vai ajudar a identificar oportunidades e ameaças que cercam a organização ou o indivíduo.

Aparentemente, esse processo é algo simples, mas pesquisas mostram que, em geral, ele poderia ser melhor aplicado e que, atualmente, os resultados alcançados são significativamente menores do que poderiam ser se alguns cuidados fossem seguidos. Você, que é Coach e adota a análise SWOT com seus clientes, preste atenção nas dicas que estão a seguir, conforme propostas por John Hester, articulista do blog Vocational Place.

Em primeiro lugar, a análise SWOT é particularmente útil no desenvolvimento de uma perspectiva rápida sobre os cenários que envolvem o cliente. É uma varredura do ambiente, não uma avaliação extremamente aprofundada e detalhada, a qual deve ser realizada no início dos trabalhos e nunca no meio do caminho.  Depois, ela requer sondagens em vários níveis e não deve ser limitada à opinião única de seu cliente. Para ter visão mais precisa do contexto, procure entender ou pesquisar sobre a visão de outros atores próximos, com os devidos cuidados de preservar os segredos e a intimidade do seu Coachee.

Continuando, a análise SWOT é uma abordagem eficaz para questões altamente conceituais, como imagem pessoal, por exemplo. Ela envolve um estilo livre de abordagem para se produzir observações globais, sólidas e bem fundamentadas. No entanto, a SWOT também é adequada para questões mais específicas ou táticas, como uma nova iniciativa profissional. Logo, cabe ao Coach nunca perder a oportunidade de trabalhar os conceitos em torno do objetivo que foi definido para o processo de Coaching.

Portanto, muita atenção sempre ao contexto que cerca o problema, pois algumas questões podem confundir essa análise. Por exemplo, algo pode ser ponto forte em um cenário e não em outro, assim como questões externas podem apresentar oportunidades ou ameaças, dependendo do contexto assumido. Isso cria ambiguidades e pode gerar confusão no momento de determinar um plano de ação, levando a que todo o esforço de análise seja perdido. Aqui, quanto mais experiência em planejamento tem o Coach, menor é o risco de que haja desvios.

A outra dica é que se olhe com carinho muito mais a questão dos impactos diretos do que nos resultados de longo prazo. Se o assunto é dinheiro, os impactos gerados por uma decisão aparecerão antes do lucro ou do prejuízo. Como conclusão, as oportunidades mais importantes serão aquelas relacionadas com a missão (quem sou eu e o que eu quero oferecer?). Feito isso, tente listar quais os pontos fortes que podem ser aproveitados para ampliar as oportunidades ou para combater as ameaças e fraquezas. Para quem já é experiente em SWOT, essas dicas podem parecer óbvias, mas para quem está querendo ser experiente, pense em tudo isso ao aplicar a análise SWOT em um próximo processo de Coaching.

Mario Divo Author
Mario Divo tem incrível experiência profissional, tendo chegado a meio século de atividade ininterrupta, em 2019. É PhD e MSc pela Fundação Getulio Vargas, com foco em Gestão de Negócios, Marcas e Design, Marketing e Comunicação Corporativa. Tem formação como Master Coach, Mentor e Adviser pela Sociedade Brasileira de Coaching e pelo Instituto Holos. Consultor credenciado para aplicação do diagnóstico meet® (Modular Entreprise Evaluation Tool), Professor e Palestrante. CEO e Coordenador Executivo da plataforma Dimensões de Sucesso, acumulando com o comando da MDM Assessoria em Negócios. Foi Diretor Executivo do Automóvel Clube Brasileiro e Clube Correspondente da FIA – Federação Internacional do Automóvel, no Brasil. Foi titular do Planejamento de Comunicação Social da Presidência da República (1997-1998) e, anteriormente, comandou a Comunicação Institucional da Petrobras. Liderou a Comunicação Institucional e a Área de Novos Negócios da Petrobras Internacional. Foi Presidente da Associação Brasileira de Marketing & Negócios, Diretor da Associação Brasileira de Anunciantes e, também, Conselheiro da Câmara Brasileira do Livro. Primeiro brasileiro no Global Hall of Fame da Aiesec International, entidade presente em 2400 instituições de ensino superior em 126 países e territórios, voltada ao desenvolvimento das potencialidades das jovens lideranças em todo o mundo.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa