Crianças Inteligentes X Adultos Precoces

Que pai não fica ansioso em ver o filho se desenvolver. Muitas vezes, o bebê nem começou a engatinhar e a mãe só pensa quando ele sairá andando. Veja dicas para estimular seus filhos aproveitarem ao máximo a infância.

Dicas para os pais estimularem os filhos aproveitarem ao máximo a infância.

Que pai não fica ansioso em ver o filho se desenvolver. Muitas vezes, o bebê nem começou a engatinhar e a mãe só pensa no dia em que ele sairá andando pela casa.

É natural do ser humano almejar momentos que ainda estão por vir, porém pular qualquer etapa da vida pode acarretar consequências negativas no desenvolvimento de uma pessoa, desta forma, é saudável viver e aprender em cada uma das fases, e principalmente, de acordo com os aspectos fundamentais de cada momento.

As crianças do século XXI possuem características bem particulares, têm mais acesso a recursos tecnológicos que proporcionam um desenvolvimento acelerado. Mas até que ponto isso é bom?

Atualmente nos deparamos com crianças muito adultas, que suprimem boa parte da fase de infância. São muito inteligentes, vivem situações que não pertencem à sua idade, mas apesar de parecerem para muitos, engraçados ou admiráveis em alguns aspectos, isso acarreta um desenvolvimento intelectual acelerado e precoce, o que pode ocasionar graves consequências na sua personalidade de adulto. Não viver a infância plenamente afasta a criança de sua essência e a torna um adulto sem inocência, leveza, equilíbrio, tolerância, entre outras marcas na personalidade. Isto pode ocasionar problemas sérios de comportamento e relacionamento na fase adulta

Recomendo aos pais ficarem atentos. A infância é a etapa da despreocupação, das brincadeiras, da inocência, da espontaneidade, do aprendizado dos limites, por isso, não pode ser ignorada. Se uma criança passa a partilhar dos assuntos e hábitos dos pais e irmãos mais velhos, é natural que as características infantis desapareçam dando lugar a um adulto precoce.

Para que as crianças possam curtir a infância, essa fase encantadora da vida de todo indivíduo, na melhor forma, sugiro aos pais conjugarem atentamente os seguintes verbos:

Compartilhar: É importante que as crianças sintam que os pais e adultos que convivem com elas também se interessam pelo seu universo. As crianças têm necessidade da companhia dos adultos e se eles não estão com elas em seu universo infantil, elas tendem a buscá-los no universo dos adultos.

Portanto, reserve sempre um tempinho para estar com as crianças nas suas brincadeiras e atividades, demonstrando interesse sincero, apreciando suas habilidades, compartilhando suas experiências desta fase e busque também ampliar seu leque de opções com sugestões de outras brincadeiras e atividades compatíveis com a fase que elas estão vivendo.

Limitar: Colocar alguns limites de forma assertiva também é importante, ou seja, é preciso pontuar quando e como as crianças podem interagir com os assuntos de adultos. Não se trata de impedi-las ou proibi-las de interagir com o mundo à sua volta, mas de ensiná-las que existem coisas para cada idade.

Lembre-se sempre, as crianças desta geração precisam entender as coisas, portanto, explique porque isso é importante e não subestime a capacidade de compreensão delas.

Equilibrar: É imprescindível estabelecer um equilíbrio na vida da criança, ou seja, mesclar suas atividades diversificando-as, de forma a atender a necessidade de desenvolvimento nos mais variados contextos da vida.

Excessos são sempre nocivos, por isso, deixe as coisas bem organizadas e tenha disciplina na sua vida, fazendo o mesmo na vida das crianças. Procure reservar sempre um momento para estar com elas nas suas atividades, aproveitando para falar de você e incentivá-las a contar também suas experiências.

Direcionar: Pais e outros adultos que convivem com crianças precisam compreender que estão na liderança quando estão com elas. Devem ser uma referência positiva, sabendo respeitar e conquistando o respeito e a admiração da criança.

Você adulto que compartilha do universo da criança, que sabe os momentos que ela pode compartilhar do universo dos adultos e acolhem sua presença, tem a responsabilidade de limitar e direcionar as coisas e pode fazê-lo com muito mais tranquilidade. Colocar os limites sem sugerir a direção a seguir não ajuda a criança a crescer, portanto, diga o que você espera.

Compartilhar, limitar, equilibrar e direcionar é um conjunto de ações que devem acontecer simultânea e permanentemente. É importante que todos os adultos da família, pais, irmãos mais velhos, avós, tios, empregados adotem essa forma de pensar e agir, pois além de desenvolver com muito mais harmonia, não sobrecarrega ninguém na educação.

Cada etapa da vida possui seus encantos e importância e cabe ao adulto favorecer suas experiências e aprendizados.

⚙️ CrerSerMais
Roselake Leiros é Coach de Crianças, Jovens e Família – Buscando uma educação mais efetiva para os filhos, pais mais leves e motivados, Famílias mais harmoniosas, criou o “Educar Mais com Coaching e PNL”. Em Coaching, cursos e palestras dá suporte emocional e técnico com ferramentas que aumentam a efetividade e motivação na educação para Pais e Professores. É Dir. da CrerSerMais – Ministra Curso para Coaches que desejam habilidade no atendimento de crianças e é Trainner de Formações de Coach e PNL.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa