Como você se comunica?

A linguagem está muito distante da realidade. As palavras podem ter inúmeros significados e diferenças. A habilidade de usar a linguagem com precisão é essencial pra qualquer pessoa que visa o Sucesso.

A linguagem está muito distante da realidade. As palavras podem ter inúmeros significados e diferenças. A habilidade de usar a linguagem com precisão é essencial pra qualquer pessoa que visa o Sucesso.

Ser capaz de usar as palavras que terão significado no *mapa de outra pessoa e de determinar precisamente o que ela quer dizer com as palavras que usa, são habilidades valiosas de comunicação.

Quando digo “mapa”, quero dizer mapa mental. São sensações e interpretações que temos do mundo, das pessoas, de situações, etc. Cada um de nós possui um mapa, que é criado através das nossas experiências.

Exemplo: Estou no meu ambiente de trabalho quando peço a um colega que me traga um envelope que se encontra em cima da mesa do chefe. Eu recebo o envelope. Porém não era o envelope que eu queria. Ele me trouxe um envelope grande, e eu esperava o pequeno.

Neste caso faltou clareza. Eu não especifiquei que tipo de envelope e, por algum motivo, ele acreditou que eu pedi o envelope grande.

O que quero dizer é que nem tudo o que falamos é compreendido pelo outro da maneira como queremos que ele entenda. Cada ser possui um mapa. Quanto mais específicos formos, mas resultados satisfatórios teremos.

Tente se lembrar quando você pediu algo a alguém ou simplesmente informou alguma coisa. Nessas situações, quantas vezes você foi “mal compreendido”? Avalie a objetividade do seu pedido.

Talvez você goste muito de um perfume e resolva comprar o mesmo de presente para uma amiga, afinal de contas esse perfume é o melhor de todos. E quando você entrega o presente, sua amiga agradece mas deixa estampado no rosto que não gostou. O perfume pode até ser o melhor de todos, mas pra você.

Às vezes o fato do seu colega estar com a cara fechada, não significa que ele está aborrecido com você, talvez ele esteja preocupado com a família ou com o emprego. Somos mestres em fazer interpretações. “Aposto que fulana não veio trabalhar por irresponsabilidade”, quando na verdade a pessoa referida sofreu um acidente e não conseguiu avisar.

Quantas vezes ofendemos sem termos certeza? Quantas vezes julgamos simplesmente porque queríamos que o outro pensasse como nós? Ao usarmos nossas interpretações estamos violando o direito da outra pessoa. E como usar as palavras que terão significado no mapa do outro? Através de empatia, bom senso e não julgamento.

Pense nisso!

Um abraço.

Renata Carvalho tem mais de 11 anos de experiência profissional em Imagem e Comunicação. É jornalista, repórter e apresentadora de TV com especialização em Linguagens Midiáticas. Carrega no currículo importantes coberturas televisivas como a Copa do Mundo 2014 e o evento Miss Brasil 2014. Também é Coach (Instituto Brasileiro de Coaching), Treinadora Comportamental (Instituto de Formação de Treinadores) e líder Master Mind (Master Mind Brasil). É Analista Comportamental, Analista 360 (IBC) e licenciada a aplicar o Software Coaching Assessment. Certificada internacionalmente pela European Coaching Association (ECA), Global Coaching Community (GCC) e Behavioral Coaching Institute (BCI).
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa