Como manter a energia em alta no seu dia a dia?

Como você sente sua energia no trabalho? Revigorado e envolvido frequentemente? Ou ao contrário, anda sempre cabisbaixo e aborrecido? Está se deixando facilmente “infectar” pela energia dos seus colegas?

A edição online da Harvard Business Review publicou, há uma semana, artigo muito interessante de Wayne Baker (www.waynebaker.org), professor na Universidade de Michigan e reconhecido pesquisador em assuntos voltados à “organização positiva”. Ele começa perguntando: Como você sente sua energia no dia a dia de trabalho? Você se sente revigorado e envolvido frequentemente? Ou ao contrário, anda sempre cabisbaixo e aborrecido? Será que está se deixando facilmente “infectar” pela energia dos seus colegas, seja positiva ou negativa?

Nós captamos a energia positiva ou negativa através de nossas interações com as pessoas – algo que tecnicamente é chamado de “energia relacional” – e isso afeta o nosso desempenho no trabalho. Baker afirma ter aprendido essa realidade pessoalmente, concluindo que o conceito de energia é um recurso vital (pessoal e organizacional), e que a pesquisa sobre as fontes de energia tem negligenciado o que todo mundo experimenta na vida cotidiana – nossas relações com os outros. Em uma série de quatro estudos empíricos, ele e a sua equipe quis estabelecer a energia relacional como uma construção científica válida, avaliando o seu impacto sobre o envolvimento dos funcionários e no desempenho durante o trabalho.

Para entender como tudo isso funciona, pense em seus colegas, tanto os próximos como os mais distantes. O que eles fazem? O que eles dizem? Algumas pessoas estão nos energizando porque emitem vibrações positivas. Como um empregado, muitas vezes, percebe em relação ao chefe: “Ele me energiza porque ama seu trabalho, é uma pessoa feliz, sempre com sorriso no rosto e cria uma atmosfera positiva”. Ter um chefe assim eleva as chances de os subordinados ficarem engajados no trabalho, com mais produtividade e integração entre si. Há casos em que criamos a visão positiva, que contribui para a interação e que, por sua vez, transfere a sensação de progresso e esperança.

Cada um de nós é, simultaneamente, fonte e receptor dessa energia relacional. Segundo Baker, quando alguém gerar energia relacional positiva no local de trabalho, mais o seu desempenho sobe. Isso ocorre porque as pessoas querem estar perto de você, atraindo assim os talentos e aqueles propensos a dedicar tempo discricionário para seus projetos. Eles vão oferecer novas ideias, informações e oportunidades para você, sempre em primeiro lugar. E o oposto também é verdade. Se você “desenergizar” os outros, essas pessoas não vão ficar ao seu lado para ajudá-lo. No pior dos casos, eles podem até mesmo sabotar seu trabalho.

E Baker conclui com um bom conjunto de dicas para você se beneficiar da energia relacional: (a) Você deve construir relações de alta qualidade pois, por definição, serão essas conexões a sua fonte de energia relacional; (b) Não deixe de criar eventos energizantes, com foco explícito na criação de energia positiva, e não apenas na entrega de conteúdo, produtos ou serviços; (c) Use ferramentas que promovam a cultura “doador”, ou seja, que o ato de ajudar alguém no trabalho seja entendido como um centro de emoções positivas, e; (d) Busque criar um “mapa relacional de energia”, mapeando a rede invisível que possa estar influenciando todos os da equipe. Com esse mapa identifique as conexões de alta e de baixa qualidade, criando então eventos que possam mudar o ambiente para uma melhor troca de energia relacional.

E você, após essa leitura, acredita nisso tudo? Qual a sua conclusão pessoal?

Mario Divo Author
Mario Divo tem incrível experiência profissional, tendo chegado a meio século de atividade ininterrupta, em 2019. É PhD e MSc pela Fundação Getulio Vargas, com foco em Gestão de Negócios, Marcas e Design, Marketing e Comunicação Corporativa. Tem formação como Master Coach, Mentor e Adviser pela Sociedade Brasileira de Coaching e pelo Instituto Holos. Consultor credenciado para aplicação do diagnóstico meet® (Modular Entreprise Evaluation Tool), Professor e Palestrante. CEO e Coordenador Executivo da plataforma Dimensões de Sucesso, acumulando com o comando da MDM Assessoria em Negócios. Foi Diretor Executivo do Automóvel Clube Brasileiro e Clube Correspondente da FIA – Federação Internacional do Automóvel, no Brasil. Foi titular do Planejamento de Comunicação Social da Presidência da República (1997-1998) e, anteriormente, comandou a Comunicação Institucional da Petrobras. Liderou a Comunicação Institucional e a Área de Novos Negócios da Petrobras Internacional. Foi Presidente da Associação Brasileira de Marketing & Negócios, Diretor da Associação Brasileira de Anunciantes e, também, Conselheiro da Câmara Brasileira do Livro. Primeiro brasileiro no Global Hall of Fame da Aiesec International, entidade presente em 2400 instituições de ensino superior em 126 países e territórios, voltada ao desenvolvimento das potencialidades das jovens lideranças em todo o mundo.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa