fbpx

Como a fé influencia nossa carreira e os nossos negócios!

A verdadeira fé nos move. Faz com que tenhamos a atitude de alterar as coisas. Se você acredita que dias melhores virão, então por que não investe em você mesmo para quando este dia chegar?

Olá!

Desde que resolvi que trabalharia com o desenvolvimento de pessoas, passei a ser um observador dedicado do comportamento humano. Sempre que posso, observo como as pessoas agem, reagem e interagem, nos mais diferentes ambientes, seja no transito, na fila do supermercado, no aeroporto, em festas e até nas redes sociais.

Incrível a quantidade de pessoas que compartilham informações, recomendações, esperanças e votos de sucesso baseados em suas respectivas versões de fé. Note que não estou falando de religião, mas sim de fé, ou seja, daquilo que somos capazes de crer sem necessariamente saber.

Para ilustrar este pensamento, recorro a duas situações da ficção, sendo a primeira extraída do filme Constantine dirigido por Francis Lawrence em 2005 e que traz um misto de história policial com exorcismo, oriunda dos quadrinhos homônimos. Em uma determinada cena, Constantine interpretado brilhantemente por Keanu Reeves contracena com o anjo Gabriel interpretado pela brilhante atriz Tilda Swinton:

Gabriel desafia a fé de Constantine que já havia morrido e retornado após conhecer Deus dizendo que sua fé era pouca. Diante disto, Constantine declara que acredita em Deus. O anjo responde que ele CONHECE Deus e isto não é mais fé.

Interessante este conceito que declara que a fé é baseada em algo que não possui segurança ou mesmo evidências. Ou acreditamos ou não. Saber não é ter fé.

Outra situação, menos serena é uma antiga anedota contada por meu Pai, o Senhor Florentino Carli. Sim, meu pai chamava Florentino, pobre homem.

Em um torneio de Boxe estão sentados na plateia lado a lado um padre da igreja católica e um rabino, bucolicamente acompanhando a “nobre arte” como é chamado este esporte de cavalheiros. No início de um dos combates um dos atletas faz o sinal da cruz, comum aos católicos antes de subir ao ringue e o rabino questiona:

– O que foi aquele movimento que ele fez?

– O sinal da cruz, fazemos sempre isto em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

– E para que isto serve na luta?

– Se ele não souber lutar… Para nada!

Este é o segundo ponto que observo quando as pessoas falam de fé. Somente contar com forças desconhecidas ou suas profundas convicções podem não fazer diferença diante de um momento de embate como na luta de Boxe.

Agora, meu querido leitor, vamos trazer estes dois conceitos para o nosso dia a dia e para os desafios de nossa carreira e de nossos negócios.

Quantas vezes contamos com uma melhora do ambiente interno da empresa ou mesmo com a aceitação do nosso trabalho por nossos contatos e clientes, simplesmente baseados em um sentimento de que “dias melhores virão”, mesmo sem conhecer em detalhes o cenário que se apresenta?

Neste momento, a fé pode nos confortar e criar um sentimento que tudo será melhor, mas, sem conhecimento, ficamos esperando, esperando e esperando sem que nada de fato aconteça. Acreditar por acreditar é reconfortante, mas não alterará em nada o cenário que se apresenta.

A verdadeira fé nos move. Faz com que tenhamos a atitude de alterar as coisas. Se você acredita que dias melhores virão, então por que não investe em você mesmo para quando este dia chegar?

Você tem fé que será promovido? Ótimo! Que tal começar a ler livros sobre liderança ou mesmo participar de treinamentos que aprimorem suas habilidades de liderança, incluindo o domínio de tecnologias e outros idiomas, para o dia em que a promoção chegar?

Você tem fé que suas habilidades profissionais são diferenciadas e que o mercado mais dia menos dia vai reconhecer você como aquele profissional desejado? Ótimo, procure os seus futuros clientes e conte para eles como você é melhor. Compartilhe com todos a sua fé, mostre que antes de tudo, você é a primeira pessoa que acredita no seu produto.

Basta uma “googada” rápida sobre Coaching e negócios para ver centenas de ofertas de formulas milagrosas para ficar milionário com a prática de Coaching, apresentadas por pessoas que não atuam como coaches, mas sim como formadores de coaches. Olho para estas ofertas e me pergunto, se é tão milagroso e tão fantástico, por que não é mantido em segredo?

Isto me soa como se a Coca Cola viesse ao mercado e dissesse: Aprenda a fazer refrigerante de cola e fique milionário! Eu consegui, então você consegue!

A fé está em cada um de nós. Não existe formula mágica. O que existe é trabalho duro e dedicado, acreditando que aquilo que fazemos é o melhor para nós e para o nosso semelhante. Antes de acreditar em algo ou alguém, acredite em si mesmo. Invista seu tempo em aprender o máximo que puder e dedique uma enorme parte do seu tempo trabalhando para colher os frutos. Esteja preparado para quando o sucesso chegar.

Para terminar, mais uma história simples sobre fé.

Em uma cidade pequena do interior do nordeste brasileiro, após muitos meses de seca, o pastor convoca os fieis para um dia de orações pedindo chuva. No dia marcado, às 08:00 horas da manhã a igreja está lotada e antes de iniciar os trabalhos, o pastor olha detidamente para as pessoas e declara:

– Podem voltar todos para suas casas. Vocês não tem fé e não quero ninguém sem fé na minha igreja?

Indignados os presentes reclamam em voz alta:

– Somos pessoas de fé!

– Não duvide de nossos corações!

O pastor espera que todos se acalmem e responde:

– Vou aceitar que todos tenham fé e acreditem que a chuva virá das nossas orações. Aqueles que trouxeram guarda-chuvas podem ficar e rezar.

A igreja ficou vazia.

Assim que penso. A fé é um poderoso instrumento de motivação. Sem ela, não levantamos da cama pela manhã, mas quando falamos de carreira e negócios ela necessariamente deve vir acompanhada de iniciativa. Não terceirize a responsabilidade pelo seu sucesso.

Pense nisto e até a próxima!

Edson Carli Author
Edson Carli é Economista com pós-graduação em Gestão de Marketing e Finanças Internacionais. Especialização em Teologia e Antropologia. Iniciou a carreira no segmento de tecnologia desde operador até CIO. Após dez anos, entrou para o mercado de consultoria onde foi diretor de grandes empresas do setor como: IBM, KPMG e Neoris do Brasil (grupo CEMEX). Na última década dedicou-se ao negócio próprio de Gestão de Talentos onde especializou-se em Gestão de Carreiras e hoje é considerado um dos principais nomes no segmento de orientação profissional com milhares de clientes em sete países. Em 2005 desenvolveu a teoria CARMA – Career And Relationship Management que deu origem a três livros: ‘Autogestão de carreira – Você no comando da sua vida’ (presente na lista dos mais vendidos categoria negócios pela Publish News), ‘Coaching de Carreira – Construindo profissionais de sucesso’ e ‘CARMA – Career And Relationship Management’
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa