fbpx

Aquilo que aponta no outro é o que você quer melhorar

Desde que começamos a ter consciência de quem somos e da relação de interdependência, julgamos o que é o melhor e o pior de acordo com as nossas percepções.

“O homem de talento é naturalmente inclinado à crítica, porque ele vê mais coisas do que os outros e as vê melhor” (Montesquieu)

Desde que começamos a ter consciência de quem somos e da relação de interdependência, julgamos o que é o melhor e o pior de acordo com as nossas percepções. Com o decorrer do tempo, essa habilidade de selecionar o que é bom e ruim, tanto com pessoas, quanto com situações, permite consolidar o comportamento de tornar-se um crítico.

Ao ler a palavra crítico, subentendemos como algo negativo, contudo, todo comportamento tem sua intenção positiva, que é um pressuposto da programação neurolinguística. Considerando este, reflita:

Sou um crítico que visa somente os erros ou um crítico que aprende e constrói posturas diferentes?

A frequência do comportamento que escolhe, torna-se um hábito. De acordo com Dale Carnegie, devemos entender o que motiva as pessoas a fazerem o que fazem, e não simplesmente censurá-las. Essa postura gera simpatia, tolerância e gentileza, contrário disso, instala-se a resistência.

Todos têm um ponto a melhorar e é mais fácil enxergar no outro, do que em nós mesmos. A partir do momento que amplio a consciência, entendo que sou o responsável por criar e superar os obstáculos e interpreto a própria crítica ou do outro como uma forma de construir um novo cenário, dou a oportunidade para melhorar, ouvir e filtrar o que é importante para o seu progresso.

A realidade externa é um reflexo da realidade interna. Projetamos expectativas e emoções sobre o outro de acordo com o nosso mapa de mundo interior, que não significa, que é a realidade presente.

Viu, ouviu ou sentiu algo que não gostou, reflita, pois se te incomodou é um ponto a desenvolver. Se for importante manter um comportamento diferente, identifique a intenção positiva daquele comportamento, descreva de maneira específica como gostaria de ter reagido, isso será uma dica do que precisa realizar para não mais te incomodar e entrar em flow com sua evolução.

Grande abraço,

Mayra Soares

Mayra Soares Author
Mayra Soares tem 11 anos de experiência profissional em Gestão e Desenvolvimento de Pessoas. É Mentora pela Erlich Consultoria, Trainer Comportamental pelo Instituto de Formação de Treinadores (IFT), Master Coach com especialização em Business and Executive Coaching e Professional and Self Coaching, Consultora Analista Comportamental e Avaliação 360º certificada pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC), Behavioral Coaching Institute (BCI), International Coaching Council (ICC), European Coaching Association (ECA), Global Coaching Community (GCC), International Association of Coaching (IAC), Metaforum International e International Association of Coaching Institutes, Practitioner em PNL pela SCORE e Leader Coach pela Ellite Consultoria. Graduada em Gestão de Recursos Humanos, Pós-graduada Docência no Ensino Superior e Pós-Graduanda em Essencial Master Coaching. Coautora dos livros COACHING NAS EMPRESAS – Estratégias de Coaching para o ambiente corporativo e RH Trabalho e Aprendizado.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa