fbpx

5 pistas de como será o futuro do trabalho

Como será o futuro do trabalho? Especialistas das áreas de carreiras, tecnologia e transformação digital dão pistas de como será o mercado de trabalho na próxima década.

futuro do trabalho

Como será o futuro do trabalho? Especialistas das áreas de carreiras, tecnologia e transformação digital dão pistas de como será o mercado de trabalho na próxima década.
Por Filipe Oliveira*

De acordo com um relatório da consultoria McKinsey, entre 400 e 800 milhões de pessoas vão perder seus postos de trabalho por causa da automação até 2030. Por outro lado, profissões que ainda nem conhecemos devem surgir nos próximos anos.

Mas como se preparar para o futuro do mercado de trabalho em um cenário tão incerto? É o que investigamos conversando com profissionais das áreas de carreira, tecnologia e transformação digital.

Confira então a seguir o que descobrimos:

1. As mudanças não vão atingir apenas áreas de tecnologia

“Não se imaginava que o direito fosse ser afetado pela transformação digital. Então aparece o Watson (Inteligência artificial da IBM) que faz o trabalho que a maior parte dos jovens recém-formados em direito fazem hoje em dia”, exemplifica Marcia Marques Portazio, professora da ESPM e orientadora de carreiras. “No mercado americano já há uma redução drástica na quantidade de oferta de trabalho para os jovens nessa área.” O mesmo deverá ocorrer em outras áreas.

2. Noções de programação serão muito importantes

Alguns especialistas apontam que saber programar será fundamental para o profissional do futuro. Isso tem levado escolas particulares a incluírem disciplinas de robótica e programação em suas grades curriculares. Marcia também acredita na importância desse aprendizado. “Ouvi pessoas da psicologia dizerem que nossa área nunca seria afetada pela transformação digital. Mas já temos programas voltados para a seleção de pessoas”, comenta a especialista. “Se eu estivesse começando agora a minha carreira como psicóloga e fosse para a área organizacional, iria estudar de que forma posso aprender a programar.”

3. Mudanças serão cada vez mais frequentes e necessárias

“O mercado está mudando com muita rapidez, o conhecimento que você tinha há dez anos já não serve para quase nada hoje”, comenta Adriana Gomes, líder do Programa de Integração Nacional de Carreiras da ESPM. “Antes, você ingressava no mercado com uma graduação e permanecia com aquela profissão por muitos anos. Mas a reciclagem e a adaptação vão ser cada vez mais frequentes.”

4. Robôs poderão ser nossos colegas de trabalho

“Quando falamos em inteligência artificial, machine learning e IoT (Internet das Coisas), a máquina é parceira do ser humano, podendo chegar a um ponto que ela é entendida como um ser.” É o que explicou JC Rodrigues, professor da ESPM e diretor de operação da consultoria em transformação digital Neuremotion, em palestra no Social Media Week.

Segundo o especialista, antigamente encarávamos as máquinas como “artefatos que nos ajudavam a realizar alguma tarefa mecânica”. Mas hoje as vemos como “processadores que aumentam nossas capacidades cognitivas, de aprendizado e de organização da informação.” O futuro dessa relação deverá ser de parceria no trabalho.

5. As softskills serão cada vez mais importantes

Empatia, criatividade e habilidade de negociação são algumas das habilidades que poderão nos diferenciar dos robôs. Muitos especialistas acreditam que as profissões do futuro estarão relacionadas a essas softskills.

Então fique ligado nas novas tecnologias

“Tenho orientado os jovens para que acompanhem de perto tudo o que está acontecendo nesse processo de transformação digital”, diz Marcia. “Muitos nem ouviram falar sobre a 4ª revolução industrial (marcada pela convergência de tecnologias digitais, físicas e biológicas).”

“Independentemente da profissão que você escolha, olhe sempre para a tecnologia”, recomenda Humberto Sandamann, professor da ESPM e especialista em aprendizado de máquina e inteligência artificial.

Acompanhe principalmente notícias sobre internet das coisas (IoT), inteligência artificial (IA) e 5G. Juntas, essas tecnologias devem mudar o mundo em que vivemos.

(*) Filipe Oliveira

É jornalista com experiência em produção de conteúdo para diferentes editorias (Entretenimento, Cultura, Empreendedorismo, Negócios, Inovação, Tecnologia, Automotivo), mídias sociais e redação publicitária.

Link original da matéria: https://tmjuntos.com.br/carreira/5-pistas-de-como-sera-o-futuro-do-trabalho/

Adriana Gomes
http://www.vidaecarreira.com.br/

Confira também: Mentira no currículo: como as empresas descobrem e as consequências

 

Adriana Gomes Author
Adriana Gomes é Mestre em Psicologia – UNIMARCO, pós-graduada em Psicologia Clínica, Psicóloga, (CRP 30.133), Coach certificada pela Lambent do Brasil e reconhecida pela ICC – International Coaching Community. Carreira de 25 anos nas áreas organizacional e clínica (Psicoterapia, Orientação de Carreira). Ex-vice-presidente do Grupo Catho, empresa onde atuou como Headhunter, Executive Search e Outplacement atendendo empresas nacionais e multinacionais de grande porte. Coordenadora Acadêmica da área de Pessoas dos Cursos de Pós Graduação da ESPM, Coordenadora do Centro de Carreiras da ESPM – Centro de Orientação de carreira para alunos dos cursos Master e MBA, Coordenadora do Núcleo de Estudos e Negócios em Desenvolvimento de Pessoas da ESPM, Professora no curso de pós-graduação da ESPM na Cadeira de Pessoas. Atuou como Professora do Instituto Pieron de Psicologia Aplicada no curso de Especialização em Orientação Profissional. Membro da ABOP – Associação Brasileira de Orientadores Profissionais. Autora dos Livros: Tô Perdido! Mudança e Gestão da Carreira editora Qualitymark – 2014 e Mudança de Carreira e Transformação da Identidade LCTE 2008. Atualmente colunista do Jornal folha de S.Paulo na seção Negócios e Carreiras, Colunista de Carreira da Rádio Bandeirantes – Coluna Carreira em Foco, foi colunista e colaboradora no portal EXAME.com, Blogueira dos sites HSM e Click Carreira, palestrante e Diretora do site www.vidaecarreira.com.br.
follow me
Neste artigo


Participe da Conversa